Sucesso, motivação e autossabotagem

Certa época, ainda bem no começo da minha carreira de palestrante motivacional, o comentário de um amigo me deixou em estado de choque e alerta.

Postado dia 01/03/2016 às 23:20 por Leila Navarro

Foto: Divulgação/Internet

Foto: Divulgação/Internet

Uma pergunta curta, chegou aos meus ouvidos como uma verdadeira trombada de um caminhão! Acho que foi daí que comecei a valorizar tanto os processos de coaching. Aquilo mudou a minha vida, revigorou a minha motivação. Eu estava em um momento decisivo da minha carreira e aguardava a resposta para fechar o contrato para um canal de tevê. Era tudo novidade, eu estava naturalmente ansiosa e nessa condição eu encontrei um amigo, digo que é um amigo paranormal. Ele me perguntou sobre esse assunto e eu respondi: “Uauu! Está tudo okey, mas esse contrato não sai? ”. Ele olhou bem no fundo dos meus olhos e sacou a pergunta: “Leila, que medo é esse do sucesso?”. Fiquei muda. Quando assumi o que realmente estava sentido e decidi enfrentar, dois dias depois assinei o contrato.

Nada ocorre por acaso, tudo faz sentido! Essa é uma verdade que me acompanha há muitos anos e, a partir dela, encontro muitas verdades. Sou uma estudiosa da Psicossomática e essa ciência estuda a relação entre os sintomas e doenças com a nossa maneira de pensar, com nossos medos e comportamentos. É incrível o quanto ampliamos a nossa motivação e horizontes quando passamos a prestar atenção em situações que parecem sem sentido, mas que, no fundo, apontam um posicionamento ou um comportamento que pode ser bom, mas também pode ser a barreira para que a nossa engrenagem flua livremente.

Numa outra vertente, estudiosos começaram a buscar relações entre o ser humano, seus bens e situações diversas, por meio da Metafísica. E isso é surpreendente. Quantas vezes você já falou, em relação ao seu carro, celular ou algum equipamento eletrônico, que a sua bateria está acabando ou zerou? Isso acontece com frequência? Então, olhe para si e observe o quanto de energia você mesmo tem. Qual a sua verdadeira motivação para fazer o que se comprometeu?

Teve uma época que muito frequentemente eu acabava parando na estrada por falta de gasolina. Era incrível! Por mais experiências que eu tivesse passado, o fato reincidia. Ao analisar o meu comportamento, na mesma época vinha assumindo diversas responsabilidades simultaneamente, fazia várias coisas, seguia sem limite, muito menos sem a consciência de que era necessário parar reabastecer as energias, para recarregar! Eu não parava, o carro e os equipamentos faziam isso por mim… e me forçavam a uma parada indesejada.

Em outro período eu não queria e nem podia olhar para trás, remoer o passado. A vida estava tão acelerada e absorvia tanto de mim que eu seguia sempre em frente, sem olhar para os lados, em frente, sem tempo de respirar e, ao menos, dar uma olhada para ver o quando eu havia percorrido. Tinha motivação apenas para seguir caminhando e olhando só para frente! Nessa época o retrovisor do meu carro caiu e eu fiquei um tempo sem conseguir consertar até que me dei conta do que estava vivendo. Isso faz sentido para você?

Na sua empresa, no seu escritório ou mesmo quando você vai imprimir determinado trabalho a impressora está sem tinta? Pense aí por alguns segundos: há quanto tempo não acaba a tinta quando você mais necessita? Quantas vezes neste ano já acabou a tinta quando você mais necessitava? É frequente acabar a tinta quando você mais necessita? Estamos em um tempo em que temos que estar presentes e conscientes o tempo inteiro. A verdadeira motivação, aquela singular, que é a nossa essência, jamais deixa de ser revelada. Quando aprendermos a ler as ocorrências ao nosso redor, nos tornaremos mais eficazes para ajudar a nós mesmos, aos nossos pares, à nossa equipe e, com certeza, estaremos mais bem preparados para as adversidades.

Esse é um exercício do pensamento não-linear que permite que as ideias fluam livremente na tentativa de encontrar algo de especial. É um processo criativo que aumenta o número de resultados possíveis justamente porque não define um ponto de partida para qualquer processo lógico. Em vez disso, começa a partir de vários pontos simultaneamente, o que nos ajuda a criar a habilidade de conectar e relacionar coisas, pessoas e acontecimento com a motivação genuína. É o que o faz o Google, o Face e todo o universo virtual quando usa os nossos dados, as nossas preferências.

Para trabalharmos hoje em equipe, liderarmos e inspirarmos pessoas a capacidade de conexões não-lineares é um atributo valioso. Ao ler as entrelinhas, se atende ao intangível, ao ler atitudes é possível ter um panorama muito mais amplo do que normalmente é revelado em palavras. Para trabalhar com pessoas, para ser um bom gestor e atuar com uma boa liderança é imprescindível ter aguçado o estado de atenção, desenvolver o pensamento não-linear, ampliar a visão periférica. Coisas, pessoas e acontecimentos estão relacionadas e “falam” entre si na sua casa, na sociedade, na empresa em que você trabalha.

Num mundo cada vez mais paradoxal, ambíguo, complexo e veloz, não dá para nos limitarmos no Cartesiano. Temos que sair da caixa, investir na intuição, que é algo maior que o pensamento, e aceitar o estado constante de mudanças que marcará a nossa era. Vamos acordar! Identifique quais são as “sabotagens” que você, inconscientemente, anda permitindo na sua vida. Observe seus equipamentos e as circunstâncias que você tem se envolvido. Eles podem responder por você.

 

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Leila Navarro

Com abordagens voltadas à felicidade e bem-estar, empreendedorismo, comportamento humano, mudança e atitude, assertividade e comprometimento

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter