Sorria para os drones!

A utilização de drones permite a medição de áreas de desmatamento, fiscalização de queimadas e caça, além de patrulhamento contra pesca predatória.

Postado dia 10/05/2017 às 08:00 por Juliano Abe

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Com 731 quilômetros quadrados de extensão territorial e os mais significativos fragmentos de Mata Atlântica da região metropolitana, Mogi ganha o poder da tecnologia na complicada tarefa de monitoramento ambiental. Desde 31 de janeiro, está autorizado o uso de drones para fiscalização pela Polícia Ambiental paulista. 

O tamanho da área e o volume de agressões tornam a vigilância lenta e ineficaz. São poucos policiais e recursos insuficientes, o que facilita a proliferação de ilegalidades, dos danos ambientais e da impunidade. Há repetidos casos de devastação causada por construções em áreas protegidas, especulação imobiliária, caça de animais – até do nosso sagui-da-serra-escuro, ameaçado de extinção –, queimadas e todo tipo de agressão ambiental.    

Foto: Juliano Abe

Foto: Juliano Abe

A utilização de drones permite a medição de áreas de desmatamento, fiscalização de queimadas e caça, além de patrulhamento contra pesca predatória. O equipamento chega a percorrer 90 quilômetros por hora a uma altura de 500 metros de quem o opera. A tecnologia minimiza a necessidade de acesso físico aos pontos monitorados, possibilitando mapear cursos d’água, matas e estradas fechadas. 

O drone tem baixo custo de aquisição e manutenção, além de operação simples. Em estados onde a utilização do equipamento já começou, os operadores são agentes que praticavam aeromodelismo. Essa tecnologia proporciona efetividade até por ser um aparato discreto. Quando os transgressores percebem a aeronave não tripulada, os atos ilegais já foram fotografados e filmados. 

 A expectativa é que o governo paulista autorize o uso de drones pelas demais áreas da polícia. Também seria de grande valia, por exemplo, no combate a incêndios e até para coibir os tão corriqueiros roubos de carga, entre outros crimes. Vou além. Penso que precisamos regulamentar o uso dessa tecnologia nas áreas urbanas com alta densidade demográfica. Sorria para os drones!

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Juliano Abe

Juliano Abe, vice-prefeito de Mogi das Cruzes, é advogado pós-graduado em Direito Ambiental pela USP e consultor em meio ambiente

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter