Quem são elas?

Uma lista com as principais DSTs para que você aprenda um pouco mais sobre como cuidar de sua saúde e ter uma vida sexual saudável. Lembre-se: a prevenção é o melhor remédio!

Postado dia 22/02/2016 às 01:48 por Rose Villela

DSts

Foto: Divulgação/Internet: A melhor forma de prevenir as DSTs, é a prevenção, Use camisinha!

No texto anterior falei da importância da prevenção e dos mitos com relação as DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) em mulheres. Neste vou falar quem são elas. Exatamente, quem são as DSTs e como são tratadas. Existem mais de 20 DSTs diagnosticadas, vamos falar aqui apenas de algumas, as mais comuns.

Algumas pessoas perguntam se as DSTs são doenças da vida moderna, da “liberação sexual”. Muito pelo contrário, as DSTs são tão antigas quanto a própria humanidade. Antigamente era chamada de Doença Venérea (que vem de Vênus – deusa da formosura e do amor) temos relatos que em 1493, quando Colombo regressou a Espanha, a doença que hoje conhecemos como sífilis começou a se espalhar entre os espanhóis, assim como vários escritores e compositores famosos morreram jovens em torno do ano de 1823 em função do contágio de alguma doença sexualmente transmissível e que na época não se tinha tratamento, até que um dia surgiu a penicilina, isto já em 1928 (por acaso) que tratou diversos males.

Hoje, graças ao avanço da medicina, temos medicações específicas para as DSTs. O que acontece é que algumas das DSTs são tratáveis e outras são crônicas, mas podem ser controladas. Calma gente, não é pra ficar desesperado… A ideia do texto é informar e deixar você mais antenado com relação às doenças sexuais, assim você fica mais consciente e se previne, dessa forma vai poder transar gostoso sem preocupação, porque, aliás, não tem coisa mais broxante que transar preocupado com algo não é mesmo?!

Vamos lá então, 

As tratáveis são causadas por bactérias e  protozoários e são tratadas com antibióticos, que são:

Clamídia

Também conhecida como uretrite ou cervicite inespecífica e uretrite não-gonocócica, a clamídia é caracterizada por corrimento translúcido pela uretra, geralmente, pela manhã. Muitas vezes o único sintoma é ardor uretral ou vaginal.

Quando não tratada e muitas vezes pela dificuldade de diagnóstico, a clamídia pode permanecer por anos contaminando as vias genitais dos pacientes. Mesmo sem sintomas, o portador segue transmitindo a doença. A clamídia é uma das doenças mais comuns entre as mulheres e pode ser de difícil diagnóstico: localiza-se do colo do útero para cima e é, muitas vezes, assintomática. Sendo assim, junto com a gonorreia, a clamídia pode ter por complicação a doença inflamatória pélvica, que vem a ser uma das causas de mortalidade feminina.

Gonorreia

Se manifesta através de corrimento amarelo (pus) que sai do pênis, causa ardência no momento de urinar e com mau cheiro. Nas mulheres, geralmente é assintomático. Mas, para as que apresentam algum sintoma é parecido com o do homem.

Tricomoníase

A tricomoníase se localiza, na mulher, na vagina ou em partes internas do corpo e, no homem, só nas partes internas. Os principais sintomas são o corrimento amarelo-esverdeado, volumoso, com mau cheiro, dor durante o ato sexual, ardência e dificuldade para urinar e coceira nos órgãos sexuais. O tratamento deve ser para o casal.

Cancro Duro

É o nome que se dá à manifestação inicial da sífilis. Surge ferida nos genitais que não dói, não coça e não arde. A ferida desaparece com o tempo, mas a doença continua  a progredir e ser transmitida.

Sífilis

Treponema pallidum é a bactéria que causa a doença, ela é capaz de infectar qualquer órgão ou tecido. O organismo é atingindo por pequenas lesões na pele, nas mucosas ou pela corrente sanguínea.

Após a primeira fase, que é o cancro duro, aproximadamente dois meses após o sumiço da ferida, aparecem manchas avermelhadas em toda a pele, nas palmas das mãos e nas plantas  dos pés. Quando não tratada, depois de alguns anos, pode afetar o cérebro, o coração e outros órgãos.

Quando uma mulher engravida com sífilis, ela passa para o bebê, é o que conhecemos como sífilis congênita, o que pode trazer sérios problemas de saúde para o bebê.

As DSTs causadas por vírus podem ser controladas, mas não curadas, ou seja, a pessoa terá a doença para sempre (pelos menos por enquanto, de repente a medicina descobre algo para torná-las tratáveis) que são:

HIV/AIDS

HIV (sigla em inglês) do vírus da imunodeficiência humana que ataca o sistema imunológico e que causa a AIDS.

Importante ficar claro que HIV é o vírus e AIDS é a doença que ataca o sistema imunológico. Muitas pessoas são infectadas pelo vírus (soropositivas) mas não desenvolvem nenhum sintoma, mas transmitem o vírus em relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas, de mãe pra filho durante a gestação ou amamentação.

A síndrome da imunodeficiência adquirida ataca o sistema de defesa do corpo, deixando-o vulnerável a diversas doenças.

Quando ocorre a infecção pelo vírus, o sistema imunológico começa a ser atacado. O período de contato até o aparecimento dos primeiros sinais varia de 3 a 6 semanas, os sintomas são muito parecidos com de uma gripe como febre e mal estar.

O organismo vai debilitante gradativamente, muitas vezes passa despercebido, é o período assintomático. Com o organismo enfraquecido, surgem as doenças oportunistas com isso chega ao estágio mais avançado da doença que é a AIDS, quando a pessoa chega a este estado, as vezes, por não saber ou não seguir a recomendação médica pode sofrer de hepatites virais, tuberculose, pneumonia, toxoplasmose, e alguns tipos de câncer.

Se você teve relação sexual desprotegida ou compartilhou seringa, faça o teste o mais rápido possível, pois ter o diagnóstico precocemente aumenta a expectativa de vida, quando você segue o tratamento recomendado, aumentando assim a qualidade de vida.

O teste é feito através do sangue na rede de saúde pública, mas você terá que esperar pelo menos 30 dias após o contato de risco para fazê-lo, pois tem a janela imunológica no qual não dá o resultado, o ideal é que se repita após 30 dias.

O tratamento é feito com os medicamentos antirretrovirais, eles não matam o vírus da aids, mas ajudam a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico. A boa notícia é que o Brasil distribui gratuitamente o coquetel antiaids desde 1996.

Herpes genital

Herpes genital é uma doença comum causada por um vírus chamado herpes simplex II, que quando a doença está ativa causa bolhas dolorosas nos órgãos genitais de ambos os sexos, mal estar geral, dor muscular, corrimento vaginal, dor e dificuldade para urinar. Trata-se com acyclovir, os sintomas serão amenizados, mas o tempo para sumir as feridas é, geralmente, de 1 a 3 semanas.

O contágio se dá  através de contato íntimo dos genitais durante relação sexual, boca ou área anal e mãos que estejam infectadas.

O vírus permanecerá no corpo pelo resto de sua vida. Normalmente, ficará em estado latente, o que significa que não causará sintomas. No entanto, poderá tornar-se ativo por causa de tensões emocionais, roupas apertadas, relações sexuais sem lubrificação suficiente, ou outras doenças e causar feridas novamente. A herpes é altamente contagiosa, principalmente quando apresenta ferimentos, mas também quando não apresentar sintomas e feridas.

Hepatite B

É uma inflamação no fígado causado pelo vírus da hepatite B. Contrai-se através de relação sexual sem preservativo, compartilhamento de seringas, instrumentos cortantes (alicates de cutículas, instrumentos de dentista), transfusão de sangue, contato de peles com lesões, gestantes contaminadas passam para o bebê.

O período de incubação varia de 30 a 180 dias. Os sintomas são mal estar generalizado, cansaço, dor de cabeça e no corpo, febre, falta de apetite e náuseas, coloração amarelada da pele e da mucosa, coceira no corpo, urina escura (cor de coca cola), fezes esbranquiçadas (cor de massinha de vidro). Na maioria dos casos os sintomas sessam em 6 semanas, podendo a pessoa ficar imune ao vírus, mas algumas pessoas desenvolvem a hepatite crônica, que pode desencadear cirrose e câncer no fígado. São feitos exames de sangue para detectar o problema, tratamento, além de repouso, evitar bebida alcoólica e alimentos que agridam o figado é a base de medicação oral.

HPV (papilomavírus humano)

Conhecido popularmente por crista de galo, verruga venérea, condiloma acuminado. Essa é uma das doenças que nem sempre aparece sintoma, tanto pode aparecer dias após o contato sexual como aparecer anos depois ou não aparecer lesão visível.

Pode se instalar em qualquer região do corpo, basta haver contato com a região infectada da outra pessoa. Já se detectou o vírus não só na região genital, mas também extragenital como olho, boca, faringe, vias respiratórias, ânus e, também no líquido amniótico (líquido que envolve o feto na vida intra uterina). Os sintomas se manifestam por coceira ou irritação na região genital (pênis, vulva, ânus), verrugas indolores na região genital, lesão com aspecto de couve flor, manchas brancas nas vagina, colo do útero, pênis ou uretra.

Existem mais de 200 tipos de vírus, que são considerados de baixo risco para câncer de colo de útero e de auto risco.

Bom gente, não tem muito o que fazer o jeito é usar preservativo masculino ou feminino, levar seu kit manicure e confiar no dentista em que vai (aliás, você pode exigir que ele mostre a você os materiais esterilizados).

Para as meninas, fiquem mais atentas, pois muitos dos sintomas das DSTs são parecidos com coisinhas que nós mulheres as vezes temos como corrimento, coceira e que é algo rotineiro e não necessariamente uma DST, sempre bom visitar o ginecologista para fazer os exames preventivos.

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Rose Villela

Psicóloga com especialização em sexualidade humana, terapia corporal reichiana, EMDR, constelação familiar, renascimento.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter