Per Secula, Seculorum

O ser humano conquistou a imortalidade. O responsável por esse milagre á a tecnologia digital, para ser mais exato, o Facebook

Postado dia 30/03/2016 às 09:00 por Heródoto Barbeiro

imortalidade

Foto: Reprodução/Internet – O explorador espanhol Ponce de Leon, descobridor da fonte da juventude

Finalmente o ser humano conquistou a imortalidade. E não foi com nenhum remédio milagroso. Nem com a ajuda de Ponce de Leon, o descobridor da fonte da juventude. Nem uma poção milagrosa como a Mandrágora. O responsável por esse milagre á a tecnologia digital, para ser mais exato, o Facebook. Pelo menos 30 milhões de usuários já morreram e foram enterrados ou cremados. Mas estão vivos no Facebook. Segundo a BBC todo dia morrem oito mil usuários. Tem mais assinantes mortos do que vivos. O Facebook serviria bem como cenário de um filme de terror, onde os mortos não morrem. É possível até que muita gente supersticiosa pare de usar a rede social, afinal, ela se parece com um grande cemitério digital onde vagam fantasmas de vários países e que falam e escrevem em múltiplas línguas. Só falta eles curtirem as páginas dos que ainda não morreram. Aquilo que a medicina e a religião não conseguiram, o Zukenberg tirou de letra.

O mais comum no Facebook é que famílias ou amigos anunciem a morte do titular da página e eles são considerados in memoriam. Assim tudo o que foi publicado se torna parte da biografia do titular e obviamente ele para de atuar em espaços públicos como curtidas, ou lembretes de aniversários. Afinal depois de morte é mais difícil desejar feliz aniversário para alguém. Alguns amigos ou familiares optam por continuar postando na página como se o morto estivesse vivo. Esquecem-se deste pequeno detalhe.  Lembro-me de um amigo que ligava para outro que havia morrido e deixava recado na caixa postal, que era atendida pelo próprio. Contudo uma vez que o morto perde, pelo menos por enquanto, o controle de sua página, os familiares podem simplesmente pedir que retirem a página do ar. Ainda assim o defunto continua recebendo ofertas do Decolar.com, E-Bay, hotéis, pechinchas de toda ordem, da liquidação de uma coleção de tênis ao aparelho de ar condicionado. Muito útil para alguns…

O direito ao esquecimento ainda não é pacífico na legislação de vários países, por isso o morto vive digitalmente quer queira, quer não. Enfim, vivemos a época da alma digital. Enquanto existir bits bytes e ofertas de toda ordem as almas vão sobreviver, mesmo que já tenham dado baixa no cartão de crédito. E esquecido os três números dos códigos de segurança.  Antes do desfecho final é possível entrar em contato com o site Eterni.me adquirir uma versão digital de você mesmo e se tornar um avatar. Assim as pessoas no futuro vão poder interagir com a sua memória, história, ideias como se estivessem conversando com você. Um neto pode conversar com o bisavô. O atual gestor da empresa falar com o fundador da companhia. Não faço ideia se isso fosse usado na religião com os seguidores falando com os mestres o impacto teológico que teria. Os robôs do avatar aparecem na tela e podem ter a aparência do falecido. Claro que mais jovens, botocados, e nas cores da moda. Os amigos e parentes se dividem entre os que criticam a falta de intimidade até mesmo na morte e outros que querem que a memória do falecido permaneça viva para sempre. Muitos não foram consultados. Esta é a pegado no nosso bravo novo mundo: o Big Data não nos permite ser esquecidos.

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Heródoto Barbeiro

Heródoto Barbeiro, escritor e jornalista, âncora do Jornal da Record News e editor do Blog do Barbeiro. Foi âncora do Roda Viva da TV Cultura e do Jornal da CBN. Tem livros nas áreas de jornalismo, história, mundo corporativo e budismo.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter