Pablo Escobar – novo ídolo nacional?

O povo brasileiro mostrou recentemente grande dificuldade de escolher um bom representante... Vigiai e orai...

Postado dia 15/09/2015 às 03:49 por Sociedade Pública

Narcos-S01E01-DESTAQUE-1170x480 (1)

Tem essa série rolando agora “Narcos”, com o Wagner Moura interpretando Pablo Escobar, e uma outra chamada: “Pablo Escobar, el patrón del mal”, mais completa e com mais capítulos, quase uma novela sobre a vida do traficante… Recentemente a mídia brasileira tem noticiado essas duas séries, além de reportagens sobre a vida de Pablo Escobar.

Bom, é interessante do ponto de vista de quem se interessa por empreendedorismo, logística e comunicação, ver a magnitude do sistema que era feito pelos narcos. Não que sirva de exemplo, pois nem sempre os “fins justificam os meios”, atualmente, com a onda de corrupção, eu digo que essa frase torna-se cada vez mais infeliz e preocupante, sendo que ela é dita a esmo por aí, e praticada da mesma forma bem na nossa cara. Acredito que qualquer empreendedor que tentar desses meios, terá um péssimo fim, pois já começou mal.

Mas uma obra de entretenimento dramatizada por atores e com ficção sobre fatos reais, é prejudicial?

Atualmente sim, está sujeito a ser. Pelo modo de vida que o brasileiro se acostumou a levar nos últimos anos, apegando-se ao que é torto, apoiando-se na “Lei de Gerson”, e dando-se o direito de fazer errado, só porque “o outro também faz”…

Explicando melhor, nos países da América Latina, existe o péssimo hábito das pessoas se afeiçoarem a bandidos revolucionários, e passarem a admirá-los. Invertem o mal real que essas pessoas causam com a fantasia emocional causada, aprendem a conviver com a corrupção amigavelmente e afloram na imaginação a convivência com este problema, e aliviam-se das próprias responsabilidades com a sociedade pelas más ações que cometem no dia a dia.

Além disso tudo, pela ignorância coletiva que assola nosso país, tanto a criminalidade quanto os criminosos são banalizados pelo povão quando caem na mídia. O povo latino americano adora um bandido que vira herói, é o mal de Robin Hood, o verdadeiro populista. Ladrão que rouba ladrão além dos cem anos de perdão ganha filme, medalha e até uma estátua. Se possível, um feriado nacional em sua homenagem…

Vivemos um período político onde há pessoas que juram de pé junto pela honestidade de réus políticos condenados, baseados em suas histórias do passado de militância populista, ignorando os feitos maquiavélicos contra a nação, elaborados após atingirem o poder público, ainda assim, representando a “causa”.

Acredito que entretenimento nunca é demais, e nem estou dizendo que as séries são ruins e não devem ser assistidas, mas o que digo é: Todo cuidado atualmente é pouco, pois ainda que esses assuntos sejam parte do dia a dia de todos, não são pra todo mundo…

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter