O arroz: sua importância na gastronomia brasileira

Sei que muitos não concordam com meu paladar. Mas sou um amante do arroz

Postado dia 17/05/2016 às 09:00 por Roque Thomazini

brasileira

Foto: Reprodução/Internet – O arroz é um prato essencial para a típica cozinha brasileira

Sim, isso mesmo!

Sou fã incondicional deste cereal que é o terceiro mais consumido no mundo: 300 milhões de pessoas o comem diariamente.

Dados interessantes sobre o arroz:

  • Colhido em estado selvagem na Índia e na Indochina 5.000 a. C., expandiu-se pelos árabes no séc. IV a. C. Na Europa ele chegou no séc. VII e foi cultivado na Itália em 1468 d.C.
  • Relatos dão conta de que brotara espontaneamente no Brasil antes de seu descobrimento e que Pedro Álvares Cabral levou-o de volta à Europa;
  • Surgiu na Bahia a partir de 1587, em São Paulo em 1600, no Maranhão em 1745, em Pernambuco em 1750 e no Pará em 1772;
  • A coroa Portuguesa autoriza em 1766 a 1ª. descascadura no RJ e exporta p/ Portugal sem impostos;
  •  O Brasil hoje não só é o maior produtor, como também o maior consumidor de arroz fora da Ásia;
  •  O arroz é o cereal que mais proporciona calorias por hectare no mundo;

A FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e alimentação) recomenda o uso de arroz parabolizado porque, desta forma, o arroz pode ser requentado por 3 vezes sem perder suas características nutricionais.

Assim, os países em desenvolvimento têm um alimento barato e muito nutritivo.

O arroz, apesar de um carboidrato, não só é um alimento saudável e nutritivo, mas, ao mesmo tempo, um verdadeiro produto dietético e além de ser de fácil digestão (arroz=1 a 2 h X macarrão= 3 a 4 h).

 

O arroz também é:

  • Útil na prevenção da osteoporose (k);
  • Contém “óleo da saúde” ou gamaorizanol, que consegue reduzir as concentrações de LDL, o colesterol ruim;
  • O arroz é aconselhado às pessoas que sofrem de gastrites, dentre outras.

 Mas, apesar de todos estes benefícios, o arroz não é um alimento completo. Necessita ser complementado com proteínas como peixe, carne ou laticínios para suprir as necessidades do organismo humano.

Por isso a combinação “arroz com feijão” é tão importante na alimentação dos brasileiros, combinação elogiada no mundo inteiro.

 

Vejamos alguns subprodutos do arroz:

  • farinha de arroz;
  • óleo de arroz;
  • macarrão de arroz;
  • papel de arroz;
  • farinha de arroz integral;
  • Semolina;
  • macarrão instantâneo;

Da palha ou casca do arroz, obtém-se calor.

Grandes e renomados chefes de cozinha brasileiros ou estrangeiros utilizam o arroz nas mais variadas formas e sabores mas sempre (excetuando-se os risotos) como acompanhamento do prato principal.

Devido sua importância proteica, energética e nutricional, deveria ser prato principal;

No Brasil temos alguns pratos que consideram o arroz como principal:

  • Arroz de hauçá (com charque e leite de coco),
  • Arroz de cuxá (com camarão e legumes),
  • Arroz-de-garimpeiro na Bahia;
  • Arroz de carreteiro RS (com charque ou carne)
  • Arroz de puta (com linguiça)
  • Arroz de pequi (com pequi em GO)

A tradição nos cardápios dos restaurantes brasileiros diz sempre: “acompanha (sempre) arroz branco“;

Continua sendo um ingrediente opcional ou secundário na culinária brasileira;

Apesar de tudo isto o arroz ainda é um acompanhamento.

Como reverter isso? É uma boa pergunta…

Eu sugeriria uma alteração na cultura dos chefes de cozinha e dos brasileiros;

Utópico, não?

 

Bibliografia:
BOTTINI, Renata Lucia. Arroz: história, variedades, receitas. São Paulo. Senac, 2008.
ESPEJO, Allan Vila. Arroz sem feijão. São Paulo, Melhoramentos, 2004.
#:
Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Roque Thomazini

Roque Thomazini, formado Bacharel em direito, optou pela gastronomia como profissão

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter