Mulher de 40 – a beleza fora dos padrões

Para viver o esplendor dos 40 anos, respirar o ar que envolve o clima de novas perspectivas e possibilidades, é preciso o cultivo do amor próprio.

Postado dia 09/10/2015 às 20:30 por Sociedade Pública

foto_diego_bresani-estudio_california_-_ellen_oleria_-_15102012-dsc_9928_as_smart_object-1

Já completei 40 anos. Também já completei os 41 e os 42. Até chegar aqui, muita coisa já fiz, muito estudei, sassariquei e namorei. Agora é hora de sossegar o facho e aceitar lindamente a ação do tempo, do vento, da gravidade, da queda do metabolismo basal, dos radicais livres sobre meu corpo todo! Sou muito maior que tudo isso!

Ai, a esta altura, o bom é me conformar que estou na fase da repescagem e que para ter um homem ao meu lado não tenho que me preocupar em ser “tchuchuca gostosa”, ter as pernas torneadas, as coxas grossas e o abdome definido. Afinal, um homem tem é que se interessar por minhas qualidades não palpáveis, pelo conteúdo interessante que acumulei ao longo da vida, por minha maturidade e sex appeal que minha inteligência possa proporcionar, oras!

Estamos numa fase de combate aos apelos da mídia e frases do tipo: “moça, você é linda do jeito que você é”, “não se espelhe na capa de revista” e há lances como agências contratando modelos que vão para as edições sem grandes retoques do photoshop e celebridades fazendo questão em ter fotos publicadas de cara lavada e corpo não retocado.

Até aqui parece tudo bem e coerente. Discurso moderno de valorização à mulher enquanto ser humano, pessoa. Não somos um pedaço de carne, não somos corpos à disposição de homens!

De fato não somos isto e a luta contra este estigma segue angariando cada vez mais adeptos.

Sou, somos muito maiores que a beleza das pernas torneadas, do bumbum empinado e dos seios impecáveis, mas para viver o esplendor dos 40 anos, respirar o ar que envolve o clima de novas perspectivas e possibilidades, é preciso o cultivo do amor próprio. Mas o amor completo por seu corpo, sua alma, sua essência, individualidade e integridade.  Poucas horas que sejam de exercícios físicos, de meditação, danças, o que for, acalentam e alimentam corpo e alma.

Tenho mais de 40 e não posso estar acima do peso a ponto de prejudicar minha saúde e impedir assim que a vida me presenteie com suas novidades e surpresas.

Não posso estar acima do peso porque meu coração precisa bater no compasso para que eu viva as emoções que me esperam, a paixão que me alimenta, meus músculos precisam estar prontos para desafios do cotidiano e para me permitirem ir aos lugares onde ainda não estive, não posso estar acima do peso para não carregar nenhum peso além dos que os que a vida nos impõe. Eu não posso estar acima do peso por que este fato pode determinar a minha longevidade, pode impedir meus novos projetos, meus novos horizontes. Eu preciso estar saudável física e mentalmente para viver tudo o que há pra viver…

Bora nos exercitar, nos sacudir e movimentar sem neuras, com o único compromisso de ser feliz! Mas posso confessar? Que delícia poder ter tudo o que o bem estar proporciona e de quebra, olhar-se no espelho e sentir-se melhor que aos 30!

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter