Mãos à obra

Os empresários vão trabalhar dia e noite, sábados, domingos e feriados para ajudar fazer a roda da economia voltar a girar na direção do crescimento

Postado dia 24/06/2016 às 08:30 por Paulo Skaf

negócios

Foto: Reprodução/Internet

O mês de abril foi o pior, em termos de faturamento, para os pequenos negócios paulistas, só perdendo para abril de 2009, quando a economia brasileira sofria os efeitos da ‘marolinha’ da crise econômica mundial. Foram quase R$ 7 bilhões a menos.

Mesmo em meio a esta tempestade – afinal já são 15 meses consecutivos de perda de receita, consequência dos efeitos perversos do descontrole na condução da política econômica – os empresários demonstravam relativo otimismo. No final de maio, 34% esperavam a retomada do crescimento da economia. Em maio de 2015, apenas 15% apostavam nisso.

Tais resultados me deixam satisfeito, mas não surpreso. Há muito venho insistindo que o retorno da credibilidade é ingrediente fundamental para volta do crescimento. Como disse recentemente em audiência com o presidente da República em exercício, no Palácio do Planalto, com outras 200 lideranças, os empresários vão trabalhar dia e noite, sábados, domingos e feriados para ajudar fazer a roda da economia voltar a girar na direção do crescimento. Só que é preciso dar sinais claros que as mudanças de condução da economia são efetivas. É a lei da reciprocidade.

Nesse encontro levei cinco pontos que podem demostrar que agora é pra valer: não aumento dos impostos, redução de juros, destravamento do crédito, desengessamento dos investimentos em infraestrutura e estímulo à exportação. São medidas que não dependem de aprovações e sim de decisões, e podem gerar a retomada do crescimento já nos próximos trimestres.

Esses pilares podem ser fortalecidos ainda com a aprovação, no Senado Federal, da ampliação do Supersimples, prevista para 21 de junho. Entre as principais mudanças está a elevação do teto para inclusão no programa, passando dos atuais R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões (para pequenos negócios) e de R$ 60 mil para R$ 72 mil (para microempreendedores individuais). Isso vai evitar a morte súbita de muitos empreendimentos que não conseguem avançar em meio à alta carga tributária.

O primeiro indicador da volta do crescimento já apareceu, com a retomada da credibilidade. Agora é avançar rapidamente e fazer a roda da economia girar na direção certa – na direção da produção, do emprego, da renda, do consumo, do apoio aos pequenos negócios. Basta decisão.

#:
Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Paulo Skaf

Paulistano, filho de imigrantes libaneses, tem 59 anos e é combativo defensor das condições de igualdade para que as empresas sejam competitivas.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter