Foco e fé

Quem vive o drama do desemprego precisa se desdobrar para vencer o desalento. Com fé, vêm o ânimo, as oportunidades e até as boas ideias

Postado dia 07/12/2016 às 08:00 por Junji Abe

 

fé

Foto: Reprodução/Internet

Esta época do ano costumava ser uma espécie de salvaguarda para quem estava desempregado. Bastava percorrer o centro comercial para conseguir uma das muitas vagas de trabalho temporário oferecidas pela maciça maioria das lojas. Quem se destacava ao fazer o “bico” ainda tinha a oportunidade de ser efetivado. Igual procedimento valia para muitas atividades no campo. Produtores de flores e frutas, por exemplo, admitiam mão de obra extra para dar conta do expressivo aumento de vendas. Bons tempos…

O cenário atual é bem diferente. Grandes redes de varejo já informavam, em setembro, que não contratariam temporários. Em lojas menores, o contexto é ainda pior. Muitas fecharam as portas. No campo, também não há perspectivas de contratações. Aliás, está mais que difícil manter o atual quadro de funcionários. Falo com a experiência de quem produz flores. E não vai admitir pessoal extra neste ano. Infelizmente.

De agosto a outubro último, a taxa de desemprego foi de 11,8%. São 12,042 milhões de desempregados. O mais grave, entretanto, está em outro fato apurado pelo IBGE: a desesperança. O desalento por não conseguir uma vaga vem fazendo os brasileiros desistirem da busca. No último ano, 1,462 milhão de pessoas deixaram o mercado de trabalho. Quer dizer que não estavam nem trabalhando e nem procurando emprego.

O martírio de precisar sustentar a família e não conseguir emprego é uma cruz gigantesca. Detona a mente da pessoa; fere de morte sua alma. Enquanto ela ainda tenta, apesar das frustrações, existe esperança. Pior é quando ela para de tentar. Aí, é o fim. Significa jogar a toalha.

Por mais sombrio e gélido que esteja o dia a dia, não se pode perder a fé. A vida é efêmera. Bons e maus momentos também são passageiros. Desistir não é uma opção. Apenas mascara a dor e agrava os problemas. Quem vive o drama do desemprego precisa se desdobrar para vencer o desalento. Com fé, vêm o ânimo, as oportunidades e até as boas ideias. Pode ser que o caminho da recuperação não esteja numa contratação no mercado de trabalho. Conheço gente que ficou desempregada e não conseguia trabalho. Mas fez um dos cursos gratuitos de qualificação profissional oferecidos, por exemplo, pela Prefeitura de Mogi das Cruzes (como parte de um programa que fortalecemos enquanto prefeito e que evolui na atual gestão). Hoje, mantém o próprio negócio. E manda muito bem.

Apesar das más notícias, especialistas apostam na reação do emprego em 2017. Gosto de pensar que, se a gente tem um sonho e luta por ele com todas as forças, o universo conspira para que seja realizado. Ou, como acreditam os cristãos, Deus proverá. Então, apelo para que não desistam. Acima de tudo, foco e fé!

#:
Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Junji Abe

Junji Abe, 75 anos, mogiano, produz e comercializa flores e plantas ornamentais, e foi prefeito de Mogi das Cruzes por duas vezes seguidas (2001-2008)

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter