A faxina no Brasil

Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Romero Jucá e José Sarney entraram para a listra negra da justiça depois que Rodrigo Janot pediu a prisão do quarteto

Postado dia 09/06/2016 às 09:00 por Wilson ADM

sarney

Foto: Reprodução/Internet

Depois do impeachment, muitas pessoas pensaram que as investigações iriam cessar. Que o golpe havia sido aplicado com maestria e que não sobraria fragmentos da bomba que explodiu. O PT, certamente, embora esteja lutando para provar sua inocência, estava envolvido diretamente e até o pescoço em gigantes escândalos de corrupção.

Negar só piora, pois as delações premiadas não param. Recentemente Nestor Cerveró deu uma declaração afirmando que Dilma Rousseff sabia de todas as irregulares da Petrobrás. Então, que os brasileiros não neguem que a situação do país está crítica, e que não sejam tão ingênuos a ponto de aceitar facilmente trocar gatos por lebres. O que acontece no cenário atual é que as investigações continuam. Agora, com o afastamento de Dilma, os olhares famintos se voltam para o PMDB.

Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Romero Jucá e José Sarney entraram para a listra negra da justiça depois que Rodrigo Janot pediu a prisão do quarteto. Além das diversas acusações explodindo contra Cunha, a situação piorou para Renan, que ainda é presidente do Senado.

Gravações obtidas mostram uma clara tentativa de Renan, Sarney e Jucá tentarem impedir as investigações da Lava Jato em diálogos com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Sua delação é uma figurinha premiada para a defesa do PT, pois Machado é ligado diretamente às pessoas mais influentes do PMDB – segundo ele próprio, se caísse, muita gente do partido cairia junto. Fato é que Janot teve muita coragem em sua tentativa de algemar o poderoso chefão José Sarney. Quem ficou com a responsabilidade de analisar a situação foi o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, que está com uma bomba nas mãos. Se explodir, vai com certeza entrar pra história.

Se cair o Sarney, pode ser o começo e uma nova era na política brasileira. O Brasil está atravessando um de seus piores momentos, com verdadeiras gangues atuando no Legislativo, no Executivo e no Judiciário do país. O PMDB não faz nada diferente do que o PT fez, tentou fazer escondido, mas nem isso fez direito. Uma limpeza na casa é uma boa alternativa para que a nação comece a ver indícios de honestidade, seriedade e de um caráter exemplar em quem possui grandes responsabilidades na gestão do país.

Fato é que, em pouco tempo, o governo Temer não está agradando as pessoas. Com um belo discurso de posse e atitudes atrapalhadas no exercício da almejada função, seu caráter não está claro para a população. Temer escolheu para ministro Romero Jucá, investigado pela Lava Jato. Explodiu a bomba e a oposição fez bastante barulho, com razão desta vez, para que medidas fossem tomadas. Que sirva de exemplo para que não seja mais aceito que investigados ocupem cargos públicos importantes e possuam foro privilegiado. Isso vale também para o Lula. Que esse lapso de consciência não seja tendencioso, achando que existem bandidos bons e bandidos maus.

Para continuar balançando o governo do PMDB, os deputados pediram reajuste no salário, enquanto o país vive uma grave crise, logo após todos bradarem na votação do impeachment que tomavam a decisão de votar sim a favor do povo brasileiro. É muita cara de pau desses nobres senhores terem a coragem de se manifestar com um pedido tão absurdo que coloca abaixo toda a credibilidade que lhes foi permitido usufruírem por um breve momento.

Se de fato houve golpe, foi na população, na boca do estômago, pois grande parte dos governantes, senadores, deputados e ministros fazem parte de um grande embaraço, que pode ser chamado de quadrilha. Eles colocam seus interesses descaradamente à frente dos interesses fundamentais para que o Brasil resolva seus atuais problemas.

Recentemente Ciro Gomes falou sobre o Brasil, e disse que o Judiciário é o poder que mais tem faltado com a República. Ele questiona o fato de se admitir uma Câmara dos Deputados formada por uma maioria de ladrões. Com essa estrutura que o país possui, diz ele, essa estrutura não se sustenta, deixando, inclusive, o STF de mãos atadas em consequência do fato de que somente deputados podem caçar deputados.

Sem previsões de novas eleições, agora é obrigação da população, deixar o partidarismo de lado e acompanhar a atual situação do país. A bola de sujeira só aumenta e ainda querem colocar um tape por cima. É hora do povo acordar e ver quem está realmente do lado de quem.

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter