Elza Piacentini

Elza Piacentini em sua busca pelo autoconhecimento, se tornou uma "mestre" que auxilia as pessoas com a "terapia transpessoal".

Postado dia 10/03/2016 às 18:34 por Wilson Neves

elza f

Elza Carolina Piacentini sempre foi uma buscadora. Já na infância, frequentando a Igreja Metodista, fazia tantas perguntas que deixava os adultos cansados ou constrangidos. Quando adolescente, foi buscar respostas nos livros de Filosofia e Psicologia, os quais raramente compreendia. Com 16 anos, vestia um avental branco e ia assistir as aulas de Psicossomática na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Como não encontrava respostas para suas ansiedades, decidiu-se pelo “prático”: foi militar nos partidos de esquerda. Procurava também equilibrar sua angústia intelectual com a arte. Estudava Música e frequentava a Faculdade de Ciências Sociais, História e Letras. Assim, concluiu os cursos de Educação Musical e Acordeom – no Instituto São Paulo – e Letras, na USP. Mas sentiu que procurando por meio do intelecto estava num “beco sem saída”. Seus neurônios não alcançavam suas indagações.

Enquanto isso, Elza teve quatro filhos, deu aulas de Música e Português, foi redatora, frequentou aulas de expressão corporal e teatro. Enfim, procurou apaziguar-se.

Em 1973, teve então uma experiência que mudou o rumo de sua vida. Foi quando percebeu então uma outra dimensão, a espiritual.


Quem é Elza Piacentini?

Sou professora, tradutora, escritora e psicoterapeuta.

Onde nasceu? Qual o nome dos seus pais?

Nasci em São Paulo, sou filha de Jerônima e Mário Piacentini.

Onde estudou? Qual sua profissão?

Minha primeira faculdade foi Educação Musical. Depois estudei Ciências Sociais, Letras e História na USP. Também sou formada em Constelações Familiares com Peter Spelter.

O que a levou a se interessar pelas filosofias humanas e pelas artes?

Em 1973 conheci a União do Vegetal, tendo bebido o chá, conhecido pelo nome de Ayahuasca, pela primeira vez, o qual abriu minha mente para novas possibilidades espirituais e artísticas.

Quando foi que deu início em sua jornada pelo autoconhecimento e espiritualidade?

Foi em 1977, fui para a Índia onde vivenciei muitos ensinamentos com o Mestre Osho. Lá aprendi a maior parte das técnicas com as quais trabalho até hoje. Fui sua tradutora oficial no Brasil por vários anos, estudei Psicologia, principalmente a transpessoal, e liderei o departamento de terapias na Comunidade do Osho no Brasil.

Como atualmente a senhora vem aplicando todo o seu conhecimento adquirido durante esses anos e quais são as instituições que atualmente a senhora está coordenando e dirigindo?

Eu venho trabalhando nos centros que eu criei. Sou terapeuta e dirigente dos trabalhos de terapia transpessoal da Clínica de Terapias Interativas Spaço Sollua em São Paulo, sou dirigente do Centro de Reabilitação Vida Livre, também dirijo o Centro de Desenvolvimento integrado Luz do Vegetal e a Casa de Repouso da Melhor Idade.

O que é a terapia transpessoal?

A terapia transpessoal vai além, como diz o próprio nome, do nível pessoal, chegando às esferas do social e do espiritual.

Quais os maiores problemas que as pessoas encontram na atualidade dos quais buscam libertar-se?

Na atualidade, como em todas as épocas, a maior dificuldade das pessoas tem sido em se libertar dos condicionamentos, apegos e preconceitos culturais e familiares.

Tem sido crescente o número de mulheres que procuram terapias?

Desde que se iniciou seu processo de emancipação nos anos 60, é cada vez maior o número de mulheres em todos os campos do saber, principalmente no autoconhecimento.

Qual o trabalho que é feito no Spaço Sollua?

Todas as técnicas ministradas no Spaço Sollua têm como meta o autoconhecimento. Podemos citar algumas como: o Renascimento, o Grito Primal, as Técnicas de Gurdjieff, o Trabalho de Eva Pierrakos, entre outros.

Fale de seu trabalho com dependentes químicos. O que é o Vida Livre?

O Vida Livre é um espaço onde as pessoas com dependência química, de álcool ou depressão têm a oportunidade de vivenciar todas as técnicas terapêuticas do Spaço Sollua, num ambiente de respeito pelos internos e amorosidade. É uma associação sem fins lucrativos, certificada pelo governo federal como OSCIP, que tem como missão o enfrentamento destes problemas, que vêm crescendo assustadoramente na sociedade brasileira. Nossa proposta é baseada na imersão voluntária do paciente e tem como alvo as reais causas de seu transtorno comportamental.

Como deve agir quem necessitar de auxílio com dependentes?

Procure por nós e poderemos dar o suporte necessário com todo nosso empenho e acolhimento.

Qual a sua opinião sobre o papel da mulher na sociedade?

A mulher tem hoje uma importância e um destaque historicamente únicos, sem precisar entrar em disputa com os homens. Ela se apoderou de seu real valor. É quem preserva a família, a cultura e os valores fundamentais da civilização.

A mulher tem ganhado espaço nos meios terapêuticos e espirituais?

Sem dúvida. É notório o número de terapeutas e guias espirituais que têm surgido nas últimas décadas.

Um recado para as mulheres para o dia 8 de março!

Sejam sempre conscientes do seu poder, com confiança e assertividade. Nós somos merecedoras de todo o apreço, respeito e carinho que podemos receber.


Conheça a Clínica de Terapias Interativas Spaço Sollua em São Paulo

http://www.spacosollua.com.br/

Conheça o Centro de Reabilitação Vida

http://vidalivre.org.br/

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Wilson Neves

Sou publicitário e especialista em Marketing , proprietário da WCN agencia de propaganda, fundador e diretor da revista digital “Sociedade Pública”.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter