Dia das mães pra quem?

Há alguns anos, ainda na escola primária, tive uma colega que odiava o dia das mães. Ao chegar próximo o segundo domingo de maio, com suas festas obrigatórias, seus presentes e encontros familiares, ela já começava a suar frio...

Postado dia 14/05/2017 às 08:00 por Joyce Silva

Foto: Reprodução

Há alguns anos, ainda na escola primária, tive uma colega que odiava o dia das mães. Ao chegar próximo o segundo domingo de maio, com suas festas obrigatórias, seus presentes e encontros familiares, ela já começava a suar frio. Sua situação na escola, então, era ainda mais penosa. Enquanto todos os colegas preparavam os presentes enfeitados de palitos de sorvete e papel crepom, ela se esquivava e imaginava a quem daria aquele mimo obrigatório.

Sim, ela não tinha mãe. E era até que bem resolvida com isso. Porém, a convenção social de comemoração de um cargo que ela não tinha preenchido em sua vida trazia uma tristeza profunda, e uma mágoa com uma situação que não era possível lidar. Pensando nela, e em vários colegas que não tinham mãe, pai ou outro familiar a ser comemorado na escola, muitas instituições de ensino criaram o “Dia da Família”. Que é uma data a ser comemorada com aquele parente, de sangue ou afinidade, que cuida da criança. É uma data que une e abraça aquele que, por necessidade ou carinho, assumiu a função parental e não deixou a criança só.

É algo que já é adotado por muitas escolas. Todas as de pedagogia Waldorf compraram a ideia. Não apenas para as crianças órfãs de pai e mãe, mas também para as que são criadas por casais homoafetivos ou por mães e pais de produção independente, onde uma das figuras não é preenchida.

E é essa a reflexão da Sociedade Pública. Que o amor se faça presente nessa data, e em todas as outras, sem a necessidade de denominações. Que no domingo sejam festejadas as mães, os pais solteiros, os pais casados com pais, os cuidadores, os avós e os irmãos que assumem a criação da família. E que, em cada uma das mesas, se celebre o amor sem medidas, sem lastros e sem cobranças.

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter