Cultura x Eventos

O propósito da Cultura é formar cidadãos melhores, mais conscientes de sua história e existência

Postado dia 01/08/2016 às 08:00 por Fernando Maque

eventos

Foto: Reprodução/Internet

Ainda que alguns poucos e isolados insistem em discordar, é inegável o avanço que Mogi das Cruzes viveu em seus últimos 16 anos de Governo Municipal. A cidade avançou em diversas áreas. Modernizou-se, expandiu-se e assim aconteceu também com a Cultura Municipal.

O período de abertura e expansão cultural acontecido muito nos beneficiou porém agora, faz-se necessária, por conta do próprio progresso adquirido, segmentar, departamentalizar e separar a Cultura, em sua própria concepção da palavra, de Eventos. Cultura e eventos são áreas distintas. Caminham juntas entretanto, coexistem distintamente uma da outra.

Naturalmente, pelo avanço adquirido nas últimas 4 (quatro) gestões municipais deu-se a chamada “Cultura de Massa”. Este é um fator natural, onde pouco se tinha ou pouco podia-se fazer por razões orçamentárias e outras, e então deu-se a “Cultura de Massa” onde o cidadão é levado ao evento na esperança de uma possível absorção de cultura, como um único bloco. Em tempo, e por pura e simples ilustração, cabe citar a célebre frase: “Pão e Circo”. Reitero que não é este o retrato atual da Cultura Municipal mas que, se não houver uma descontinuidade de Cultura e Eventos atrelados, fatalmente permaneceremos “sentindo” a Cultura como uma festa da cidade, uma comemoração cívica e nada além disso.

O propósito da cultura é formar cidadãos melhores, mais conscientes de sua história e existência, e o propósito dos eventos é única e simplesmente confraternizar e celebrar datas e acontecimentos. A “Cultura de Massa” atualmente confunde e contraria os cidadãos que já atendidos, anseiam por mais. É neste momento onde as críticas aparecem e com mais força que o realizado, infelizmente.

Tratemos a Cultura com a devida atenção que ela precisa e merece ser tratada. Neste momento, tratar a Cultura de forma ilibada seria fundamental para a continuidade de projetos já implantados e de sucesso comprovado.

Departamentalizar, na própria Secretaria Municipal, “Cultura” de “Eventos” propiciaria uma melhor aceitação dos munícipes e mais chances de adquirir sucesso na gestão político/executiva. Muito avançamos. Ironicamente, para avançarmos ainda mais, devemos repensar as Políticas Públicas Culturais como braços de alcance e como base profunda e indelével. A Cultura na sua essência. Cultura não é entreter o cidadão. Cultura é formar o cidadão

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Fernando Maque

Filho de uma exímia pianista, Fernando tem a música no DNA, na veia e faz dela sua razão de viver. Um artista ímpar.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter