Confiança gera confiança

Após tantos meses conturbados, o Brasil parece estar devagar voltando aos trilhos

Postado dia 17/08/2016 às 08:00 por Paulo Skaf

confiança

Foto: Reprodução/Internet

Nessa semana, divulgou-se que, pelo quarto mês consecutivo, a produção industrial nacional cresceu. Em junho, o índice foi positivo em 1,1%, na comparação com maio, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pequenas empresas do varejo e de serviços também disseram estar mais confiantes nos rumos da economia, registrando maior índice em 15 meses, de acordo com estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). E pesquisa do Sebrae-SP junto aos microempreendedores individuais (MEIs) paulistas mostra que cerca de 40% acreditam que seu faturamento e a economia vão melhorar nos próximos seis meses.

Ainda estamos longe de chegar aos patamares de anos anteriores, mas tudo indica que começamos a sair do fundo do poço. Muita gente desconfia dos indicadores, mas, em minhas andanças por aí, tem sido possível perceber sinais de retomada. É só olhar com um pouco mais de atenção para o dono da padaria, do restaurante, da oficina mecânica, do salão, da pequena indústria. Aos poucos, a confiança começa a permear as conversas dos empresários, de todos os portes.

Um dia desses, conversei com um casal empreendedor, que me disse algo bem interessante: confiança gera confiança. Eles confiaram que tinham encontrado um bom nicho de mercado, planejaram, buscaram capacitação e dedicam-se 24 horas do dia ao negócio. Ao entregar o produto e um serviço a mais – ajudam os clientes a fazer gestão do estoque – geraram uma relação de confiança com seus clientes. Cliente satisfeito é o melhor propagandista, e a carteira cresceu, inclusive extrapolando os limites da cidade sede da empresa. Mais consumidores, mais empregos gerados. E mais confiança em investir. É o clássico exemplo do ciclo virtuoso do desenvolvimento, que queremos ver se espalhar por todo o país.

Por isso, venho insistindo que os governos, em todas as esferas, têm que fazer sua lição de casa. Como o casal empreendedor que encontrou o equilíbrio ao gerenciar seu fluxo de caixa diariamente – e leva seus clientes a adotar o mesmo procedimento – o setor público tem que apertar o cinto, reduzir desperdícios, e trabalhar diuturnamente para minimizar um déficit que, hoje, chega a R$ 170 bilhões. Ao fazer isto, abrimos o sinal verde da confiança aos investidores nacionais e estrangeiros. Mais investimentos, mais riqueza e divisas geradas. É sabido que, a cada acréscimo de um ponto percentual do PIB, gera-se um ponto e meio percentual em tributos.

É assim que se aumenta arrecadação. Não com a lógica reversa de tapar o buraco gerado pela incompetência no gerenciamento das contas públicas e pela corrupção com o aumento de impostos.

Todos nós já entendemos isto. Uma pesquisa recente da Fiesp, realizada junto a 1,2 mil brasileiros, mostrou que 88% acreditam que a melhor opção para reequilibrar o orçamento federal é o corte de gastos. Não é nem criar, nem elevar impostos. E, já que estamos falando em confiança, 84% não acreditam que um novo imposto seja temporário. Como dizer que estão enganados, sendo que somente no primeiro semestre deste ano os governos já arrecadaram mais de R$ 1 trilhão?

Está em nossas mãos não só reverter esse quadro, mas manter o Brasil no prumo por muitos anos. Vamos continuar fazendo nossa lição de casa, e exigindo, em alto e bom som, que os governantes também façam seu dever. Porque confiança gera confiança, que gera investimento, emprego, renda e divisas.

#:
Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Paulo Skaf

Paulistano, filho de imigrantes libaneses, tem 59 anos e é combativo defensor das condições de igualdade para que as empresas sejam competitivas.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter