Como lidar com dívidas em tempo de crise?

Crises não acabam ao mesmo tempo para todos, os mais preparados escapam primeiro

Postado dia 03/11/2015 às 13:28 por Sociedade Pública

The businessman - bankrupt

Crise é tempestade. Depois de toda tempestade, vem a bonança. O problema é resistir em tempos de dificuldade. Nesse contexto, há dois desafios fundamentais. Em primeiro lugar, é preciso conseguir sobreviver dentro de um período em que as receitas diminuem, mas as despesas permanecem iguais ou aumentam. Em segundo lugar, é necessário atravessar a crise e chegar com força ao seu final, ou seja, sem que o passivo acumulado comprometa a operacionalidade e a retomada de crescimento. Como lidar com esses dois desafios?

Um empresário de boa-fé não começa um negócio pensando em ficar inadimplente no futuro. A inadimplência é fruto das circunstâncias. Estar em débito produz desgaste psicológico e traz outros efeitos deletérios. Atrasar salários de empregados compromete a produtividade. Não pagar tributos leva à inclusão em cadastro de inadimplentes e inviabiliza a obtenção de certidões negativas. Inadimplência com fornecedores compromete a confiança e a expansão dos negócios.

Em tempos de crise é comum não ser possível honrar todos os compromissos. Do mesmo modo que a gestão de uma empresa deve ser feita profissionalmente, a gestão do passivo de uma empresa deve ser conduzida por meio de critérios técnicos e de forma calculada. Os profissionais da área jurídica, neste caso, são peças indispensáveis para gerir adequadamente uma situação de inadimplência. A atuação jurídica pode ocorrer tanto no nível extrajudicial – conduzindo renegociações – quanto no plano judicial – ingressando com processos em favor da empresa ou defendendo-a em ações contrárias.

Estratégias adequadas podem propiciar aos empresários a diminuição do passivo, o ganho de prazos ou a descoberta de novas oportunidades a serem aproveitadas. Por outro lado, o tratamento do passivo empresarial de forma não profissional pode inviabilizar o sucesso do empresário no exato momento em que a crise começa a se dissipar. Os problemas são negligenciados durante algum tempo e retornam exatamente quando tudo parecia estar resolvido. Crises não acabam ao mesmo tempo para todos, os mais preparados escapam primeiro. Com as precauções adequadas, especialmente o aconselhamento de profissionais gabaritados, tempos difíceis terminam mais rápido.

 

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter