Comércio online resiste à crise

Além de resistência à crise, os números apontam que há um espaço considerável para o e-commerce crescer no Brasil

Postado dia 15/08/2016 às 07:31 por Bruno Caetano

Brasil

Foto: Reprodução/Internet

Levantamento da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) informa que o Brasil é o sexto país com maior número de compradores pela internet. A mesma pesquisa também diz que, apesar da posição no ranking, o valor dessas vendas é pequeno. Segundo a Unctad, as transações no país entre empresas no meio digital somaram US$ 112 bilhões em 2015. Entre empresas e consumidor ficaram em US$ 12 bilhões no mesmo período. Na China, em primeiro na lista, os números são US$ 2,1 trilhões e US$ 623 bilhões, respectivamente.

Em média, cada brasileiro gastou US$ 376 em compras pela web, enquanto que os chineses desembolsaram US$ 1,5 mil. Foram perto de 33 milhões de compradores no ano passado, ou 16,8% de brasileiros adquirindo mercadorias on­line. Na Dinamarca, em Luxemburgo e no Reino Unido, o índice passa de 70%.

Paralelamente, por aqui as vendas no comércio tradicional caíram 4,3% em 2015 em relação a 2014, de acordo com o IBGE. Já as no meio digital aumentaram 15,3% em igual comparação.

Além de resistência à crise, os números apontam que há um espaço considerável para o e-commerce crescer no Brasil. No entanto, mercado em expansão não significa facilidade para empreender. Requer tanta atenção quanto o modelo convencional e ainda tem suas particularidades. Antes de mais nada, é preciso mostrar excelência em quesitos básicos como apresentação, atendimento e logística.

Como o consumidor faz a compra sem experimentar ou testar a mercadoria, a boa loja virtual prima pela qualidade de fotos e vídeos, acompanhados de descrições completas, claras e convincentes. Não há nada pior do que um site estático ou desatualizado; isso afugenta o público.

Internet é agilidade. O cliente quer respostas rápidas para suas dúvidas; portanto, o canal de comunicação com o público deve dar retorno com celeridade e ser conduzido por pessoas que tenham tato para a função e conheçam os itens vendidos e a mecânica da operação. Deslizes no trato com o cliente levam a críticas que se espalham com velocidade assombrosa nas redes sociais. Contornar esse tipo de situação é dificílimo.

A experiência de compra também precisa ser simples e possível de finalização em poucos cliques. Se der trabalho, o comprador desiste. Facilitar é a palavra de ordem. Nesse sentido, o site tem de estar adaptado a diferentes plataformas: computadores, tablets e celulares, ampliando seu alcance.

Todo o esforço pode ser perdido se o prazo de entrega for descumprido ou o produto chegar danificado. Cliente frustrado não volta.

Evidentemente, o assunto não se encerra aqui. Mas começar certo é fundamental para o sucesso do negócio.

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Bruno Caetano

Formado em Ciências Sociais pela USP, é mestre e doutorando em Ciência Política pela mesma universidade. Atualmente é superintendente do Sebrae-SP

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter