Com bloqueio do Whatsapp, o Brasil finalmente admite a crise

Morcegos, ratazanas, Cunha, Dilma e companhia, está na hora da... Patifaria!

Postado dia 17/12/2015 às 00:00 por Wilson ADM

whatsapp

Que banho de água fria as pessoas levaram nessa madrugada. Perderam o rumo com a suspensão judicial e temporária da troca de mensagens via WhatsApp. Porém, como os acontecimentos não param mesmo quando todos estão desconectados, Brasília amanheceu feliz. Tem 48 horas para passar um pano na casa sem que os olhos famintos dos brasileiros estejam 100% voltados para seus passos repletos de culpa e dívidas.

Porque no Brasil, o importante é o que não tem importância nas horas mais importantes.

Incrível como as pessoas se afetam por uma notícia pífia, como quarenta e oito horas de congelamento de um aplicativo de bater papo.

Os revoltados de sempre, os de lá e os dali, continuam revoltados como sempre, lá e ali… Defendendo o que devem defender, acusando e sendo acusados todos os dias pelas próprias ideologias, aquela guerra civil de sempre que também só favorece os favorecidos, os nossos ilustres artistas da decadência da política nacional, sempre se escondendo atrás da confusão social, de notícias pobres, de polêmicas fajutas, e da fraqueza da população.

Alguns exaltados dizem que o bloqueio do Whatsapp é uma amostra do comunismo sendo implantado no Brasil, outros mais aflorados, dizem que é uma amostra do poder do capitalismo sendo testado no Brasil. Esse Brasil meio Cuba e meio New York é tão caricato, que por esse modo grosseiro de simplificarem tudo, é difícil que saibam o real Brasil em que vivem. O que é mais confuso nisso tudo é que todos estão repletos de razão, sempre.

Os brasileiros, aparentemente, querem mudanças. Ao mesmo tempo, não mudam seus velhos hábitos. Não adianta trocar os representantes, se os novos continuarão representando a mesma massa de pessoas, atadas aos seus maus costumes.

Esse bloqueio do whatsapp é também uma forma que as pessoas têm para examinarem como os brasileiros se comportam em uma era tecnológica. Se eles realmente sabem utilizar as ferramentas que têm nas mãos, ou se simplesmente encontraram um meio de consumirem mais e se divertirem mais, sem que percebam que ainda estão atrasados em consciência, iludidos pela sensação de fazerem parte de uma geração que é o reflexo de uma sociedade de primeiro mundo.

A integração do Brasil em um mercado de consumo de alta tecnologia deve ser vista com cautela. É sabido que a maioria dos produtos de grande valor são adquiridos por meio de parcelamento a longo prazo. Para uns, isso representa a ascensão das classes e a democracia do consumo, para outros. Isso representa um país em crise acumulando crédito devido a dívidas de pessoas que sofrem com uma economia decadente, e cada vez possuem menos recursos para honrá-las.

O Brasil precisa de mais cursos e recursos!

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter