Carnaval consciente também é cuidar do Meio Ambiente

Seja um folião consciente e curta a festa, cuidando do meio ambiente

Postado dia 27/02/2017 às 00:00 por Pedro Muniz

blococarnaval

E chega o Carnaval! Mambembe de Chico, Frevo de Tom, Maria Sapatão eternizada por Chacrinha, Abre Alas de Chiquinha Gonzaga… além das músicas e marchinhas referências desta festa mais que brasileira, hoje são inúmeros os fatores que circundam o evento mais esperado do ano. Turismo em alta, gastronomia, transporte, cidadania, segurança pública, entre tantos outros quesitos, bem como não menos importante, o meio ambiente! A geração de resíduos pelos foliões durante os quatro dias festivos possui um aumento significativo e infelizmente nem tudo é destinado de maneira ambientalmente adequada.

As prefeituras possuem a responsabilidade de se preparar para receber os turistas, em todos os sentidos, dando comodidade para sua permanência, fornecendo transporte apropriado, bem como intensificando a segurança e a alimentação. A infraestrutura conveniente então é única e exclusivamente dela e dos patrocinadores e organizadores envolvidos. Assim sendo a gestão dos resíduos se encaixa em mais uma das preocupações básicas. Porém nada adianta, se o gerenciamento for planejado e o folião em nada ajudar. Entra fevereiro e sai março, as notícias se repetem. Milhões de latas de cerveja e refrigerante, sacolas, palitos de churrasco, roupas diversas, todo tipo de material derivado do carnaval, são amontoados nas ruas, entupindo bueiros, encalhando em córregos, quando não sendo involuntariamente oferecidos a Iemanjá!

Os blocos de rua reúnem hoje facilmente 60, 80 mil pessoas em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. Os mais famosos extrapolam a casa dos três dígitos. Fazendo um paralelo insignificante, imagine uma única lata de cerveja por participante, jogada ao meio fio das ruas. O que se acarreta disso é literalmente um mar de tranqueiras!

Projetos como o “Fundo Limpo”, idealizado em Salvador-BA, consiste em uma sequência de mergulhos no mar, feito por profissionais, para retirar o que infelizmente teve lá como destino final. Os valores são chocantes, atingindo uma tonelada de resíduos! Latinhas diversas formam um verdadeiro rio abaixo das águas da Praia da Barra, ocultadas pela beleza da costa e do farol que muito carnaval ali assistiu…

Sabe-se que a geração é inevitável neste tipo de cenário. Se não puder evitar, ao menos exerça a cidadania de jogar seu lixo no local correto. Cidades com a infraestrutura adequada possuem coletores espalhados de maneira que você não precise segurar sua latinha vazia por mais de duas quadras! Portanto se for se fantasiar, pense em trocar a do ano anterior com seu amigo, ou use o material para confeccionar outra. Utilize canecas para o dia todo, hoje elas fazem parte inclusive de fantasias. Seja um folião consciente e curta a festa, cuidando do meio ambiente.

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Pedro Muniz

Engenheiro Ambiental formada pela UNESP, pós graduado em Gestão de Projetos, especializado em gestão e gerenciamento de resíduos sólidos.

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter