Black Friday sem erro

Os comerciantes precisam tomar alguns cuidados – por exemplo, nunca crie promoções falsas ou conceda descontos irrisórios

Postado dia 25/11/2016 às 08:00 por Bruno Caetano

 

black

Foto: Reprodução

A última sexta-feira de novembro já se consolidou como uma data especial no comércio brasileiro. É o dia em que as lojas promovem a Black Friday, uma tradição que veio dos Estados Unidos e que por aqui se fortaleceu com as empresas de e-commerce. Como toda novidade, ela precisa de um tempo para ser absorvida. Isso porque, embora a Black Friday seja realmente uma oportunidade para economizar nas compras, não faltam reclamações. Em anos anteriores, vimos gente chamando a data de “Black Fraude” ou dizendo que a promoções eram todas “pela metade do dobro”.

Temos que analisar essas questões com calma. De fato há gente mal-intencionada no mercado, mas eu acredito que a maioria dos equívocos ocorre devido à falta de preparação adequada dos lojistas para uma data com volume de vendas alto. Além dos bons preços, os consumidores esperam um bom atendimento e entrega pontual. E estão dispostos a gastar na data, que neste ano será realizada no dia 25 de novembro.

Uma pesquisa realizada pela Ebit, especializada em informações do comércio eletrônico, mostra que o faturamento da Black Friday deve alcançar R$ 2,1 bilhões, um acréscimo de 30% em relação às vendas da data em 2015. Os comerciantes também devem ficar atentos a outra informação: 44% das compras devem ser feitas com o objetivo de antecipar as compras de Natal. Ou seja, todo cuidado é pouco.

Para o comerciante que pretende aproveitar a onda da Black Friday, ainda há alguns dias para fazer ajustes. O primeiro passo é estabelecer uma estimativa de quanto você pretende vender: quais os produtos mais procurados e o que o seu público-alvo necessita?

Diante desses dados, o desafio é controlar o estoque. Conhecer a chamada Curva ABC é fundamental. Os itens A são os mais vendidos, aqueles que representam a maior fatia do faturamento. Os itens B vendem bem, mas não tanto quanto os A. Já os produtos C saem pouco mesmo com promoções. A estratégia é conseguir encontrar um equilíbrio sem parecer que você está “empurrando” produtos encalhados.

Nunca crie promoções falsas ou conceda descontos irrisórios. Isso vai queimar sua imagem com o cliente. Relacione-se com seus clientes pelas redes sociais e avise que a loja fará parte da promoção. Prepare-se para o grande volume de entregas, se for o caso, e procure dar atenção total às reclamações e dúvidas dos clientes.

A Black Friday acontece uma vez por ano, mas tenho certeza de que uma boa impressão pode conquistar novos clientes e trazer reflexos positivos nos meses seguintes. Para uma consultoria completa nesse assunto, não deixe de procurar o Sebrae-SP. Boas vendas!

 

Compartilhar:

Sobre o Autor

avatar

Bruno Caetano

Formado em Ciências Sociais pela USP, é mestre e doutorando em Ciência Política pela mesma universidade. Atualmente é superintendente do Sebrae-SP

Obs: As postagens do autor são de plena responsabilidade do mesmo, o portal se isenta de qualquer conteúdo que possa ser ofensivo.

Veja mais posts deste autor

Leia também

Assine a nossa newsletter