Colunistas

avatar

Raissa Barouch

Profissão: Empresária

Cidade: Mogi das Cruzes

Formada em Gestão Empresarial e, atualmente, me dedico à profissão de "mãe". Apesar de não ter especialização na área, alguns conhecimentos só aprática pode trazer e é isso que vou compartilhar aqui. Dedicada à leitura e à pesquisa quando o assunto é "maternidade". Seja uma mãe sem pânico

  • Exercícios físicos na gravidez

    Se antes da gestação você não praticava nenhuma atividade, o ideal é que aguarde até o início do 4° mês para iniciar.

    Postado dia 4 de maio de 2017 às 08h em Meninas e Mulheres

    Foto: Reprodução/Internet

    Foto: Reprodução/Internet

    Com a correria do dia-a-dia, nem sempre a nossa alimentação e a prática de exercícios físicos saem como o planejado. Muitas vezes optamos por uma comida pronta congelada ou até mesmo aquele delicioso (rs) fast food para salvar nossa fome naqueles dias mais corridos. E incluir atividades físicas complica ainda mais. Porém sabemos da importância de evitar alimentos industrializados e fazer exercícios físicos para a nossa vida.

    Quando descobrimos uma gravidez, essa qualidade de vida vira quase primordial e logo já pensamos no que devemos evitar ou cortar da alimentação, incluir nem que seja caminhada ao longo da gestação. E quem já pratica exercícios fica em dúvidas se deve continuar ou não. Afinal, o que podemos nesse período gestacional e pós-parto?!  

    Sendo um dos assuntos mais lidos e comentados entre as mamães, tirei algumas dúvidas com o educador físico Rafael Straube e a fisioterapeuta Juliana Franco Straube, proprietários do Studio Emforma, especializado em todos os tipos de pilates, treinamento funcional e aeróbico. Vamos às perguntas?

    1- Fazer exercícios durante a gravidez faz bem?

    Sim, se a gestante já pratica alguma atividade antes da concepção ela poderá continuar normalmente em todos os períodos da gestação, deverá somente reduzir a intensidade, principalmente nos três primeiros meses. Se não praticava nenhuma atividade, o ideal é que aguarde até o início do 4° mês para iniciar.

    2- Todas as gestantes podem fazer exercícios?

    Desde que não tenham nenhuma restrição médica, todas podem e devem praticar atividades físicas durante a gestação.

    3- Eu faço exercícios de alto impacto, posso continuar?

    Exercícios de alto impacto não são recomendados para gestantes. O ideal é que não os pratique e priorize exercícios de baixo impacto e intensidade.

    4- Devo mudar minha rotina de exercícios ao longo dos nove meses?

    Devido às mudanças corporais e fisiológicas durante o período gestacional, é comum ter que fazer algumas alterações na rotina e na execução e intensidade dos exercícios.

     5- Eu sou sedentária, mas quero ter uma gestação mais saudável incluindo exercícios, qual cuidado devo tomar?

    Sempre ter o consentimento do médico que fará o acompanhamento da gestação, aguardar até o início do 4° mês para iniciar as atividades e procurar um profissional para adequar um programa de treinos ideal para você.

    6- Há esportes que não são recomendados?

    Esportes de alto impacto, que apresentem riscos de queda e de choque.

    7- Quais são os mais recomendados para esse período?

    Nesse período são indicados exercícios de alongamento, fortalecimento como a musculação e pilates, atividades aeróbicas de baixa intensidade e atividades no meio líquido como hidroginástica.

    8- Como saber se estou exagerando nos exercícios?

    Sentirá um cansaço demasiado após as sessões de treino, e para que isso não ocorra, deve ter sempre acompanhamento de um profissional especializado.

    9- Após o nascimento do bebê qual tempo mais adequado para retornar as atividades?

    Depende muito de cada pessoa, e também da conduta de cada médico, mas por volta de 40 dias para atividades leves.

    10- Os exercícios liberados no pós-parto vão depender se foi parto normal ou cesárea? 

    Sim. Num parto normal o retorno é bem mais breve e sem muitas restrições, deverá somente atentar-se na intensidade e volume de exercícios para que não interfira no ganho de peso do bebê. Já a cesárea, por ser uma cirurgia que corta uma grande camada de tecidos do abdômen, exige certo tempo para a cicatrização e alguns cuidados no início para não ter risco de abrir ou inflamar algum ponto.

    11- Exercícios físicos diminuem a produção de leite materno? 

    Depende, isso só vai acontecer se a mãe fizer atividades de alta intensidade e não tiver uma alimentação e hidratação adequadas. É normal durante o aleitamento a mãe ter o gasto calórico aumentado somente pelo fato da amamentação, que além de exigir uma boa alimentação também exige um consumo de 3 a 5 litros diários de líquidos para manter uma boa produção de leite. Então, para que não ocorra redução na produção de leite, é indicado um aumento de 20% no consumo de líquidos acima da quantidade indicada.

     

    Lembre-se, procure sempre o seu médico. Cada organismo reage de uma forma à gravidez!

     

    Leia mais sobre gravidez: 

    Amamentação e desmame do bebê

    Compartilhar:

  • A vida após a maternidade

    Tenho notado uma grande preocupação por parte das mamães em relação a este tema. Será que serei boa mãe? Será que conseguirei fazer as coisas de que gosto da mesma forma?

    Postado dia 27 de março de 2017 às 08h em Meninas e Mulheres

    maternidade

    Foto: Reprodução

    Sim, são muitas perguntas, um turbilhão de sentimentos, preocupações durante a gestação e também após a chegada do bebê.

    A verdade é que não existe uma resposta exata para nenhuma dessas questões. Afinal, tudo isso depende de vários fatores como: a disponibilidade de tempo da mãe, criação que a mãe julga ser a correta, cuidados especiais que a criança ou a mãe precisam ou venham precisar, entre outros.

    O fato é que tais fatores são os que diferenciam a vida de uma mamãe para outra. Muitas vezes nós, mamães, lidamos com situações do tipo: “Nossa, você ainda não parou de amamentar? Você dá muito colo, por isso vive cansada” ou ainda “depois que tive filho, eu não faço mais isso. Eu nem saio mais, isso é coisa de quem não tem filhos”.

    Não seremos menos mãe porque gostamos de sair para conversar com amigos, tampouco se optarmos por ficar em casa e ter esse bate papo lá mesmo. Não estamos estragando um filho por dar colo quando ele pede, tampouco fazendo mal a ele se, em algum momento, não pudermos ou não julgarmos necessário que isso aconteça.

    maternidade

    E em relação a questionamentos alheios, a mãe precisa se manter segura em relação às suas regras e decisões e não ficando preocupada e se questionando. Se estiver tudo de acordo, indo como desejou, continue. Quem vai determinar como a vida deve prosseguir após a maternidade é ninguém menos que nós mesmas, mamães.

    Claro que às vezes recorremos à ajuda especializada para que consigamos de alguma forma moldar e dar um norte a vida que queremos.

    Eu, por exemplo, tive muitos medos e dúvidas, conversava e converso muito com meu marido e familiares. Sempre conversei muito com meu marido falando da importância dele na vida do nosso filho, sempre quis que ele pudesse fazer tudo que uma mãe faz. E, sim, ele sabe! (Menos dar o mamá no peito, né?! rs)

    A nossa rotina ajudou muito e fez com que eu ficasse mais segura nos dias do ápice de insegurança e medo, pois trabalhamos de casa e assim ele pode me ajudar e ficar com nosso filho ainda mais. Criamos uma rotina para que pelo menos uma vez por dia ele fizesse o bebê dormir, tirasse um tempinho para brincar e desse alguns banhos durante a semana.

    E quando começaram a papinha e o desmame ele faria isso sozinho, sem a minha presença. Deu super certo! Hoje com 10 meses ele fica super bem com o pai, assim eu consigo sair para passear e bater papo com as amigas, ir ao cinema, ir ao salão de beleza… Coisa que, na minha opinião, é importantíssimo, pelo menos uma vez por semana, no período de uma horinha. Nós mães nos julgamos muito, a todo momento colocamos dúvidas e deixamos nosso medo aflorar, mesmo tudo estando sob controle, fazendo nos cansar ainda mais.

    Independentemente da forma que escolhermos para educar, o trabalho desprendido é também o mais prazeroso. Com certeza é o maior trabalho de todos, mas também o melhor deles.

    Leia mais sobre Maternidade

    Ser mãe: Um empreendimento para vida toda!

    #:
    Compartilhar:

  • Já ouviram falar em lua de leite?

    Não é a lua de mel que mudou de nome, e sim o protagonista. Ao invés de ser o casal (no caso da lua de mel), quem entra em ação agora é o bebê que acaba de chegar ao mundo

     

    Postado dia 1 de março de 2017 às 12h em Meninas e Mulheres

    lua

    Foto: Reprodução

    Lua de leite consiste em fortalecer o vínculo entre mamãe e bebê tendo muito contato pele a pele, diminuindo o estresse da mãe por conta dos afazeres do dia a dia e até mesmo em fazer “sala” a quem deseja visitá-los.

    A lua de leite pode ser iniciada no hospital e você e seu companheiro decidem qual o tempo de duração desse período.

    Assim que o bebê nascer, faça contato pele a pele, deixando iniciar o processo de amamentação naturalmente, permita que ele fique no quarto com você e o acompanhante e não no berçário.

    Mas é chegando em casa que o casal mais sentirá o que é a lua de leite, pois não terá médicos e enfermeiras entrando no quarto toda hora.

    O interessante é a mãe ficar o mais tranquila e confortável possível. Ficar sem a parte de cima da roupa ajuda com que esse vínculo físico e afetivo floresça ainda mais, pois ele ficará em contato direto com a pele da mãe e sentindo o cheiro do leite materno. As mamadas devem ser em livre demanda. O ideal é não usar relógios controlando o tempo de mamadas, dormidas… E quanto ás visitas deve ser apenas de pessoas próximas, que poderá te ver de qualquer jeito (seios amostra, despenteada, chorosa), pois a finalidade é de curtir seu momento com bebê e papai, sem se preocupar em recepcionar, se arrumar e até mesmo ficar escutando aqueles pitacos desnecessários.

    bebe

    A participação do pai é muito importante tanto para o bebê como para a mãe, pois ele que te ajudará nos afazeres, permitindo que você descanse para repor as energias, para que tenha uma boa produção de leite e também te ajudar emocionalmente, pois é um período complicado de adaptação.

    Se for o seu segundo filho, o filho mais velho poderá ajudar em todos os quesitos!

    Para que saia tudo de acordo, antes de o bebê nascer defina quem ficará responsável por limpar a casa, ir ao mercado e resolver imprevisto doméstico que poderá surgir. Lembre-se de deixar esses afazeres para uma pessoa próxima, que pode te ver daquele jeito que falei.

    Deixe as refeições congeladas, para que não tenha a preocupação em cozinhar. Envie uma mensagem aos amigos e familiares explicando o motivo de não querer receber visitas nesse período. Isso evita estresse e visitas inesperadas.

    E claro, sempre tenha por perto telefone do seu médico, doula pós-parto ou consultora de amamentação.

    Leia mais sobre nascimento de bebês

    O que é uma doula pós-parto?

    Compartilhar:

  • Salve suas lembranças!

    Confira uma lista de opções para preservar seus arquivos pessoas e não correr o risco de perder, por exemplo, todas as fotos da infância de seus filhos

    Postado dia 8 de fevereiro de 2017 às 08h em Meninas e Mulheres

    armazenamento

    Foto: Reprodução

    Imagina se você abre seu computador e percebe que todas as fotos e vídeos do seu filho sumiram? Com o mundo tecnológico, é muito comum perdermos arquivos que estavam no computador.

    O costume de revelar e guardar aquele álbum em uma caixa não existe mais, é muito raro encontrar pessoas que fazem isso. Registrar o momento em uma foto virou uma coisa muito simples e prática, já que pode ser feito em qualquer lugar e por uma câmera de celular que tem a capacidade de armazenar várias fotos. O que não conseguíamos com uma câmera fotográfica. Tirávamos poucas fotos, torcendo para que focassem boas na hora da revelação.

    Toda mãe tem a mania de tirar foto e fazer vídeos das descobertas, risos, choros, ou simplesmente porque seu filho dormiu. E claro, a memória do celular não é suficiente e é necessário descarregar em algum lugar, seja em um computador, HD externo, pendrive, cartão de memória. Mas não estamos livres de problemas nesses equipamentos. E o tempo não volta, não é mesmo?!

    Eu, com muito medo disso acontecer, pesquisei e descobri várias maneiras práticas e seguras de guardar essas recordações. Olha só:

    Armazenamento em nuvem: One Drive e Dropbox são serviços de armazenamento na nuvem que oferecem entre 2 e 5GB de arquivos de graça na rede e você pode adquirir planos pagos com um limite de armazenamento maior. Ou seja, você pode salvar e acessar seus documentos, fotos, músicas e vídeos a qualquer hora e em qualquer lugar com conexão à internet. Para quem usa o sistema operacional iOS, tem o iCloud, que também é um modo de armazenamento em nuvem, e funciona basicamente do mesmo jeito.

    Foto: Salve suas recordações em locais seguros para evitar perder suas melhores lembranças

    Rede Social: Ela também pode ser utilizada para esses armazenamentos. O instagram é um aplicativo de fotos e vídeos curtos, é fácil e rápido postar, porém não é possível acrescentar por álbuns, apenas uma foto por vez. Já no facebook dá para criar álbuns e separar as fotos por viagens, aniversários, passeios, idades… E o Youtube é o mais indicado – para postar os vídeos, basta criar um canal.

    Aí você deve estar se perguntando: mas todo mundo vai ver? Não necessariamente.  É só criar um perfil privado e não adicionar pessoas na sua lista de amigos.

    É importante saber que o armazenamento em nuvem grava os arquivos no seu tamanho original, o que não acontece na rede social.

    Todas essas maneiras são de fáceis acessos, pode ser pelo computador, celular ou tablet.

    Continuando com essas dicas “tecnológicas”, tenho mais duas para você…

    Primeira dica bem legal que eu faço é criar um email para seu pequeno e nele contar as novidades, aprendizados e histórias que ele adoraria saber. Quando ele crescer dê o email e senha para que ele possa acessá-lo e ver tudo que você escreveu ao longo dos anos.

    Segunda dica: separe as fotos por pastas a cada mês. Assim, na hora de fazer aquele vídeo de retrospectiva para passar no aniversário, por exemplo, não ficará perdido!

    Agora já dá pra fazer mais fotos e vídeos com a certeza de que essas recordações sempre estarão guardadas!

     

    Compartilhar:

  • Amamentação e desmame do bebê

    Maiores do que o desejo de uma amamentação bem-sucedida são os medos e as dúvidas que muitas mães têm em relação ao desmame do seu bebê.

    Postado dia 25 de janeiro de 2017 às 11h em Meninas e Mulheres

    amamentação

    Foto: Reprodução

    A amamentação é um vínculo físico e afetivo muito importante na vida da mãe e do bebê, além de trazer inúmeros benefícios para a saúde de ambos. Para a mãe é uma maneira ideal de se relacionar intimamente com seu filho. E o ato de amamentar ajuda a estimular os hormônios que voltam o útero ao seu tamanho normal e também ajuda a perder o peso que ganhou na gravidez. Para o bebê é uma maneira de transmitir segurança, afeto, conforto e o melhor e maior beneficio é a imunização contra as doenças, pois no leite materno se concentra anticorpos e proteínas que ajudarão o bebê a combater doenças.

    O começo da amamentação é muito complicado, pois a mãe e o bebê estão em fase de adaptação e o medo de não conseguir amamentar, de saber se o leite está sendo suficiente e se a forma está correta, nos atormenta. Contamos também com os machucados que formam no seio, mas mesmo assim não desistimos. É necessário procurarmos ajuda para que o bebê tenha a “pega” certa, para que esse “sofrimento” passe, afinal no começo o bebê passa uma grande parte mamando. E depois que pegamos o jeito, nem lembramos mais o porquê não conseguíamos. É tão fácil!!!rs

    O tempo vai passando e amamentar se torna uma tarefa gostosa e muito prática. Até porque pode ser oferecido para o bebê em qualquer lugar, sem necessidade de acessórios e apetrechos.

    Ao longo dos meses imaginamos como será o desmame. E de repente chega mais um dia que tanto tememos. A Organização Mundial da Saúde (OMS)  aconselha que o bebê seja alimentado pelo leite materno exclusivamente até o sexto mês e continue sendo oferecido até o segundo ano de vida. Porém, isso vai depender da rotina e necessidade da mãe.

    Meu filho está com 8 meses e iniciei esse “mal necessário”, o desmame, não posso negar o quão doloroso é. Sentimos que aos poucos a ligação física vai se perdendo e que esse procedimento não é o correto a se fazer, já que oferecer o alimento mais rico e completo do mundo para o filho parece ser a melhor coisa a se fazer. Nesse momento, temos a certeza de que eles estão realmente crescendo e criando sua independência e aos poucos eles vão ganhando o mundo.

    Baby drinking milk from a bottle

    Aquela história que nossa mãe sempre dizia: “Para mãe os filhos são sempre crianças” é a mais profunda verdade. Independentemente da fase em que você for desmamar o seu filho o sentimento será o mesmo, no fundo sempre queremos e pensamos que eles dependem da gente para alguma coisa. E logo quando você começa, os pensamentos atormentam, será que ele está sofrendo? Será que ele está passando fome? (mesmo você sabendo que ele iria chorar). Mas aos poucos vai se acostumando e sabendo que está fazendo o melhor para o seu pequeno!

    Antes de decidir quando iniciar o desmame, parei, pensei e conversei com o pediatra sobre como fazer para que seja de uma forma feliz e sem traumas, apesar dele só ter 8 meses. Com a boa rotina e boa alimentação, pude iniciar o desmame e foi necessário incluir mamadeira para completar a rotina alimentar. Comecei tirando o leite materno no período da tarde, demorou alguns dias até que ele pegasse sem cuspir e reclamar.

    O momento do desmame varia de uma mãe para outra, então, sempre pergunte ao pediatra até mesmo para se sentir mais segura. Independentemente do período em que você está desmamando seu bebê, o sentimento de que estamos deixando algo para trás sempre vai existir, mas a felicidade de ver que está dando certo é a recompensa.

    Fazendo com calma e gradualmente nem você e nem o bebê irão sofrer.

    Leia mais sobre esse assunto:

    Como saber se o bebê está mamando o suficiente

     

    Amamentar é dar amor líquido ao seu bebê!

    Compartilhar:

  • YouTube para crianças

    O novo aplicativo foi desenvolvido para garantir aos pais que os filhos não vão esbarrar em conteúdo impróprio enquanto navegam em tablets e smartphones

    Postado dia 3 de janeiro de 2017 às 09h em Meninas e Mulheres

    A TV e a internet estão presentes na vida de todos nós, independentemente da faixa etária. Usando de maneira adequada, a internet é uma aliada, serve para aprender, tirar dúvidas, dividir conhecimentos, informar e divertir.

    Apesar de não ser indicado para crianças menores de um ano (pelo fato do cérebro estar se expandindo), o uso de computador, celular ou tablet com aplicativos para entreter os pequenos, tem uma alta porcentagem de acesso.

    E quem nunca viu uma criança pedir um desenho na hora do almoço no restaurante? Pois bem, o aplicativo mais usado pelas crianças é o YouTube, pois é possível assistir a desenhos, filmes e até ouvir músicas.

    Mas esse aplicativo gera uma grande preocupação para os responsáveis, pois ele não tem filtros e a criança pode digitar ou selecionar vídeos impróprios.

    Por isso, desde Junho está disponível no Brasil o YouTube Kids. O aplicativo foi desenvolvido para a segurança e tranquilidade dos pais.

    Essa nova ferramenta tem como característica:

    • Função pesquisa

    Desativando a função, serão exibidos apenas os vídeos selecionados pelo o adulto e com base nesses vídeos o próprio aplicativo recomenda outros na tela inicial. Deixando ativa, a função “pesquisa” permitirá que a criança tenha acesso e procure qualquer vídeo de conteúdo infantil disponível. A pesquisa pode ser feita por comando de voz ou por digitação.

    • Timer

    Permite que o adulto controle o tempo que a criança passa no aplicativo, por exemplo, 30 minutos.

    • Faixa etária

    É possível selecionar para qual idade (pré-escolar, idade escolar ou para todas as crianças).

    • Controle dos pais

    Pode configurar uma senha personalizada e assim usar o aplicativo da forma que deseja.

    • Categorias

     

    São classificados os conteúdos por categoria, por exemplo, música, série, aprender e explorar.

    O aplicativo ficou bem simples de mexer, com interface colorida, ícones em forma de desenho, facilitando o manuseio e o entendimento das crianças. Assim elas aprendem brincando.

    Compartilhar:

  • Sintomas da gravidez

    Nem sempre é fácil perceber que está grávida, pois os sintomas podem ser confundidos com os da TPM

    Postado dia 14 de dezembro de 2016 às 08h em Meninas e Mulheres

    gravidez

    Foto: Reprodução

    As mulheres que estão tentando engravidar, as mais atentas ou mais sensíveis, podem perceber com mais facilidade. Existem algumas mulheres com extrema sensibilidade que dizem sentir a fecundação. Por isso, fique sempre atenta ao seu corpo.

    A melhor forma de confirmar se você está grávida é fazendo um teste de farmácia, que pode ser feito a partir do 1º dia de atraso menstrual, ou exame de sangue Beta-HCG (alguns laboratórios solicitam jejum de 4 horas). Os dois modos medem a quantidade do hormônio HCG (um mede pela urina, e o outro pelo sangue), que só é produzido no corpo durante a gravidez.

    Sintomas relacionados às primeiras semanas de gestação:

    • Atraso da menstruação

    A menstruação ocorre quando não há um óvulo fecundado e implantado.

    • Corrimento vaginal

    Pode ser um corrimento vaginal cor de rosa, causado pela fecundação, esse corrimento pode ser observado até 3 dias após a relação sexual. E também pode aparecer corrimento leitoso ou transparente, esse permanece na gravidez.

    • Inchaço abdominal e/ou cólica

    bebesEsse é o que mais confunde as futuras mamães, é causado pelo aumento do fluxo sanguíneo e pelo crescimento do útero. Além disso, pode ter uma pequena perda de sangue.

    • Dor e sensibilidade nos seios

    São causadas pelas mudanças dos hormônios que estimulam as glândulas mamárias. Além disso, a aréola pode dar uma escurecida pelo aumento de fluxo sanguíneo na região.

    • Aumento dos gases

    Os hormônios da gestação causam uma digestão mais lenta e prisão de ventre.

    • Vontade de urinar frequente

    O aumento da progesterona aumenta a frequência urinária

    • Enjôos e vômitos

    Enjôos e vômitos são comuns, podem ser provocados pela mudança no paladar, pois algumas grávidas deixam de gostar de algumas comidas e passam a comer as que não gostavam e também por cheiro forte de perfume, comidas, produtos de limpeza…

    • Fome excessiva

    Vontade de comer e fome fora da hora habitual. O desejo pode vir junto com essa “fome”, observe o seu desejo, pois alguns estão ligados à falta de nutrientes.

    • Variação de humor

    É devido às alterações hormonais que ocorrem ao longo da gestação, que são bem maiores que as da TPM

    • Sono

    É causado pelo aumento da progesterona.

    Esses são os mais conhecidos sintomas do início da gestação.

    Lembre-se: procure sempre o médico, principalmente se os sintomas persistirem.

    #:
    Compartilhar:

Página 1 de 11