Colunistas

avatar

Rafael Grisanti

Profissão: Assessor de investimentos

Cidade: São Paulo

  • Investimentos Diversificados

    Você sabia que podemos emprestar dinheiro para grandes empresas e elas nos remunerarem por isso? Poucas pessoas sabem, mas um universo extremamente rentável é a compra de debêntures.

    Postado dia 9 de maio de 2017 às 08h em Negócios e Economia

    Foto: Reprodução

    Foto: Reprodução

    Poucas pessoas sabem, mas um universo extremamente rentável é a compra de debêntures, que nada mais são do que você emprestar dinheiro para uma empresa e ela pagar uma taxa mensal por utilizá-lo. Para a empresa, muitas vezes é uma excelente alternativa para captação de recursos, bem mais barata do que se fosse pedir um crédito no banco.
    Essa operação é de renda fixa e bem segura. A maioria das debêntures são atreladas ao IPCA, contêm cupons (pagamentos) semestrais e para um horizonte de médio e longo prazo.
    É uma excelente alternativa para quem quer diversificar e para quem não precisa de dinheiro para curto prazo.
    Cuidado: devemos ficar sempre atentos ao rating da empresa emissora e também ao lastro (garantia) que o debenturista tem caso a empresa não pague os cupons.

    Foto: Reprodução

    Foto: Reprodução

    Diversificação

    Muitas pessoas, quando começam no mundo dos investimentos, escutam sempre que é importante separar os ovos em diversas cestas, pois se algo der errado, e a pessoa não tiver colocado em prática essa lição, poderá sofrer consequências gigantescas.
    Até então, essa teoria está correta, e nós a usamos! Porém, vale a pena colocar algumas ponderações:
    – Se você tem pouco dinheiro não adianta ficar separando muito, mesmo porque as opções para quem tem pouco dinheiro são escassas e tendem a ser muito parecidas em termos de rentabilidade.
    – Se você alocar seus investimentos, tenha como base que alguns têm que ser para curto, médio e longo prazo. Pois não adianta nada você ir em busca de boas rentabilidades, alocar investimentos e depois ter que tirar os mesmos para quaisquer emergências. Portanto, desenhe antes esses detalhes.
    – Não adianta você mudar seus investimentos a cada nova tendência do mercado, pois não se esqueça que você tem tributos pesados sobre o lucro. Ou seja, defina uma data para reavaliação de sua carteira, sendo pelo menos de 6 em 6 meses.
    – Quando for construir a sua carteira, mescle investimentos que protejam o seu poder de compra, ou seja, estejam conectados a juros e inflação, com investimentos que podem ter um perfil mais agressivo, ou seja, que possam dar mais rentabilidade.

    Se tiver dúvidas, estude, procure um especialista, pois aventuras custam dinheiro, e dinheiro não aceita desaforo.

    Compartilhar:

  • Caderneta de poupança é um investimento sem risco

    Primeiramente para um investimento ser inteligente ele pelo menos tem que superar a inflação para não perdermos o poder de compra

    Postado dia 2 de maio de 2017 às 08h em Negócios e Economia

    poupança

    Foto: Reprodução

    Será que é verdade?

    A inflação é um monstro perigoso pois chega de mansinho e vai comendo nosso poder de compra, e quando vemos nosso dinheiro não vale mais nada.

    Fica difícil para vermos isso nos investimentos pois nosso dinheiro não diminui, nosso dinheiro aplicado continua crescendo porém crescendo em um ritmo muito menor que a inflação. E quando percebemos, já não conseguimos comprar mais nada.

    Se 1 ano atrás aplicamos R$100.000,00 reais na poupança ( rendeu 8,07% ), e a inflação nesse período foi de 10,67%, tivemos uma perda do poder de compra de mais ou menos -2,6%.

    Isso quer dizer que HOJE o seus R$100.000,00 valem apenas R$97.400,00. Com isso vimos que a poupança não protegeu o seu capital da alta da inflação.

    Além disso, tivemos um episódio no Plano Collor em 1990 onde foi congelado por 18 meses todas as aplicações que excedessem NCz$ 50 mil (cruzados novos).

    CONCLUSÃO: A poupança é um investimento que há RISCO SIM, risco de perda do poder de compra aquisitivo e um histórico de confisco.

    Compartilhar:

  • É preciso ter muito dinheiro para investir?

    Não! Com apenas R$ 30, você consegue acessar investimentos que rendem 100% da Selic

    Postado dia 9 de fevereiro de 2017 às 09h em Negócios e Economia

    dinheiro

    Foto: Reprodução

    Sempre me deparo com clientes e amigos que dizem que os melhores investimentos estão na mão dos grandes investidores. E os pobres coitados ficam com o resto.

    Isso é uma imensa mentira. O que acontece é que, por falta de conhecimento e até por preguiça e acomodação, fica mais fácil olhar na prateleira do banco e ver o que tem disponível.

    Saiba que, com apenas R$ 30, você consegue acessar investimentos que rendem 100% da Selic. Saiba que, com muito pouco dinheiro, você pode investir em imóveis através de um fundo imobiliário ou investir em ações através de um fundo de ações.

    Se ir atrás de informação, irá perceber que você, com “míseros” R$ 10.000, conseguirá acessar produtos financeiros que rendem a mesma coisa ou até mais do que produtos que a prateleira diz que são para clientes Prime, Personalite, entre outros.

    A oportunidade está aberta para todos. A diferença de quem tem excelentes produtos é que ele saiu da zona de conforto e foi atrás de conhecimento e informação.

    Uma ótima semana a todos, com muita rentabilidade e estudo!

     

    Compartilhar:

  • Saiba como evitar perder dinheiro no banco

    O Fundo Garantidor de Crédito garante que, em caso de falência, nenhum banco precise devolver mais do que R$ 250.000,00 por CPF

    Postado dia 2 de janeiro de 2017 às 08h em Negócios e Economia

    banco

    Foto: Reprodução

    Você sabia que, se você tem mais que R$ 250.000,00 aplicados em um único banco, você não está seguro e está colocando seu patrimônio em risco?

    Todos os bancos do país têm uma estrutura de proteção para o caso de “quebrar”. Ele se chama FGC (Fundo Garantidor de Crédito ).

    O FGC é um fundo que garante ao cliente um “reembolso” de suas aplicações caso o banco se torne insolvente no valor máximo de R$ 250.000,00 por CPF por banco.

    Isso quer dizer que, se você tem R$ 500.000,00 em um banco, e esse banco se torne insolvente, você tem a garantia que irá receber somente R$ 250.000,00 dos seus investimentos, perdendo o restante do valor.

    Com isso, indicamos que nunca deixe mais que R$ 250.000,00 em um único banco. Assim estará diversificando e deixando seu patrimônio seguro. Uma das opções é abrir conta em vários bancos. A outra é abrir conta em uma corretora de valores que distribui produtos de renda fixa.

    Vale lembrar que o FGC garante operações de bancos de primeira linha, bancos de investimentos e bancos de segunda linha. Com isso o garantidor da operação de um banco de segunda linha é o mesmo garantidor de um banco de primeira linha.

    Todo o risco da operação é sempre do emissor (o banco) e não do distribuidor ( a corretora).

    Temos que a própria e famosa poupança de bancos privados é garantida também pelo FGC.

    Resumindo, podemos diversificar nossos investimentos, buscando produtos em bancos de segunda linha ou bancos de investimentos (eles pagam mais), com a mesma segurança e garantia da nossa Poupança.

    Semana que vem falaremos um pouco sobre o porque de os bancos de segunda linha e do bancos de investimentos pagarem mais do que os bancos de primeira linha.

    Ótima semana, com excelentes rentabilidades!

    Compartilhar:

Página 1 de 11