Colunistas

avatar

Manoel Cavalcante

Profissão: Jornalista

Cidade: Mogi das Cruzes

Manoel de Barros Cavalcante Filho, natural de Tupã, SP, casado.
Reside em Mogi das Cruzes desde 1972. Psicólogo, jornalista, escritor, editor, maçom e coordenador das Lojas Teosóficas no Estado de SP. Autor dos livros: A Mão de Deus naMaçonaria, O Segredo da Riqueza, Reengenharia da Mente, Autoestima: O Poder Oculto no seu Interior, Retra-tos de Suzano. Desenvolve cursos e programas sobre a importância da autoestima na melhoria da qualidade de vida, serviços e ambiente corporativo.

  • Os três movimentos espiritualistas que mudaram o mundo

    Embora haja documentos sobre a formação da primeira Grande Loja Maçônica, no ano de 1250, na Alemanha, o que realmente impulsionou o movimento maçônico mundial foi a fundação, no século 18, no ano de 1717, da Maçonaria Inglesa

    Postado dia 10 de março de 2016 às 08h em Ciências e Espiritualidade

    maçonica

    Foto: Divulgação/Internet

    Embora haja documentos sobre a formação da primeira Grande Loja Maçônica, no ano de 1250, na Alemanha, o que realmente impulsionou o movimento maçônico mundial foi a fundação, no século 18, no ano de 1717, da Maçonaria Inglesa que se organizou em uma Grande Loja que reuniu as lojas existentes em Londres. A partir daí se espalhou por outros países.

    Em Londres virou moda ser maçom. Toda a elite inglesa: nobres, comerciantes, intelectuais faziam parte dela. Foi um renascimento na direção do oculto, do esotérico. Durante 140 anos a Maçonaria disseminou a luz dos planos superiores.

    Na fundação da grande nação americana a Maçonaria assumiu e imprimiu os valores de liberdade, fraternidade e igualdade. Uma imagem iconográfica maçônica, deste período, é o quadro do presidente George Washington realizando um ritual de sagração, quando do lançamento da pedra fundamental do capitólio americano.

    Usando insígnias maçônicas, inclusive o Avental, ele e um grupo de irmãos se posicionaram em torno da pedra fundamental, um bloco de granito de quase uma tonelada, para realizar uma cerimônia maçônica de profundo significado espiritual!

    A simbologia da Ordem Maçônica presente na nota de um dólar, com a representação do olho de Hórus, símbolo de proteção e prosperidade divina à jovem nação. Este símbolo era um dos mais poderosos e os egípcios o colocavam em pingentes, pulseiras e na soleira das suas casas, invocando a proteção de Deus. A trindade Egípcia equivalente à trindade cristã era formada por: Osiris, Hórus e Isis. Portanto era a invocação do próprio Cristo, considerado o aspecto Filho.

    No século 19, no ano de 1857, foi lançado O Livro dos Espiritos que deu inicio ao Espiritismo. Em um texto de Annie Besant, escritora, presidente da Sociedade Teosófica Internacional, sobre Espiritismo e Teosofia publicado em 1903, no The Theosophist,  traduzido por Olinda Pugliesi e publicado na revista Teosofista, no final da década de 50, no Brasil,  foi explicado que no plano oculto foram os mestres de sabedoria da Fraternidade de Yucatan que apoiaram e inspiraram o movimento com o objetivo de comprovar a existência da vida após a morte. A Fraternidade de Yucatan que liderou a evolução espiritual da humanidade no período de desenvolvimento da raça Atlante. Uma civilização que alcançou um alto grau de evolução, possuidora de conhecimentos que nós ainda não alcançamos!

    Em 1875, portanto 16 anos após o surgimento do Espiritismo surge, em Nova York, a Sociedade Teosófica com a missão de difundir a Teosofia. De certa forma a Teosofia procurou mostrar um caminho além da fenomenologia espírita, da época que estava focada na relação de humanos encarnados e desencarnados. A teosofia ensinando que havia uma fisiologia esotérica e uma geografia oculta formada pelos sete planos dimensionais, pelos corpos extrafísicos com seus sete chakras e a existência da consciência em planos além do físico e do astral ampliou enormemente o conhecimento espírita e maçônico.

    Outro fator que deve ter sido levado em conta pelas duas hierarquias citadas: Yucatan e Fraternidade Branca seria a onda materialista que viria no século 20 e a confrontação entre as duas forças que dominam a manifestação no planeta: a involutiva (material) e a evolutiva (espiritual). O resultado deste confronto foram as duas grandes guerras mundiais.

    O interessante deste embate foi que as forças que trabalham com as energias involutivas usaram símbolos esotéricos antigos e conceitos de raça pura, presentes na Doutrina Secreta de H.P. Blavatsky, mas deturpada pela crueldade da higienização.

     O que é Teosofia?

    Missão dificílima explicar o que é a Teosofia. Somente este tema já daria um livro com centenas de páginas.

    Além do significado do termo “Sabedoria Divina”, a  explicação que acho mais pertinente é  “o conhecimento que uma sucessão de Mestres de eras antigas desenvolveram e comprovaram através das idades, seus registros, observações e comprovações até os dias de hoje”. Esses ensinamentos eram ministrados por meio das escolas de mistérios que existiram nas civilizações antigas.

    Qual a mais antiga escola de mistério?

    Segundo Helena Petrovna Blavatsky que recebeu das mais altas autoridades maçônicas inglesas, em 1882, o diploma conferindo todos os graus da Maçonaria de Adoção, do 1º.  ao 33º. grau e outros ocultistas como Alice Bailey, Annie Besant, Charles Leadbeater, C. Jinarajadasa do rito Menphis Misrain e também ex-presidente da Sociedade Teosófica   a Maçonaria foi a primeira escola de mistérios no planeta e dela derivaram todas as demais. Sua origem no planeta é atribuída ao próprio Sanat Kumara que fundou a hierarquia do governo espiritual no planeta há 18,5 milhões de anos, durante a existência da raça Lemuriana. O mistério da lenda do Mestre Hiram Abif ensinado no 3º. grau é um simbolismo dos acontecimentos ocorridos nos tempos da antiga Lemúria, raça humana anterior à raça Atlante.

    Portanto a Maçonaria, o Espiritismo e a Teosofia moderna possuem uma espécie de origem comum: A Hierarquia do Governo Interno do Mundo.

    Quais são os objetivos da Sociedade Teosófica?

    1. Formar um núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, casta ou cor.
    2. Encorajar o estudo de Religião comparadaFilosofiaCiência.
    3. Investigar as leis não explicadas da Natureza e os poderes latentes no homem.

     Como buscar informações sobre a Sociedade Teosófica?

    sociedadeteosofica.org.br

    Loja Teosófica de Mogi das Cruzes: cavalcante.manoel@gmail.com.br

    No próximo artigo estaremos falando da palestra “A Mente Iluminada” que o Presidente da Sociedade Teosófica Internacional, Tim Boyd, proferiu em São Paulo, na Instituição Teosófica Pitágoras, no mês de fevereiro, quando da sua visita ao Brasil…

    Compartilhar:

  • O Brasil e seus desafios

    Uma análise astrológica desta grande nação

    Postado dia 5 de janeiro de 2016 às 00h em Ciências e Espiritualidade

    bandeira-do-brasil-mapa

     

    Analise feita por:

    acjAntonio Carlos Jorge

    Profissão: Gerente de Qualidade e Meio Ambiente

    Cidade: São Paulo

    Administrador, astrólogo e membro da Sociedade Teosófica no Brasil.

     

    O objetivo deste texto é apresentar uma análise do Brasil, suas características, potencialidades e desafios, para que possamos compreender a nossa própria natureza e com isso nos auxiliar na transformação necessária para que possamos cumprir os desígnios nobres desta terra da promissão.

    Vivemos hoje em momento crucial nesta trajetória, sendo que estamos passando por uma crise que parece não ter precedentes, pois envolvem aspectos políticos, éticos e morais, de confiança, crime organizado, assalto declarado ao erário público, cinismo, escárnio e outros desvios de caráter, que refletem na desordem econômica e social.

    No entanto, esta é uma grande oportunidade de passarmos a limpo questões que sempre estiveram a assombrar a nação, que sempre habitaram os porões e submundos e que agora em um processo purgativo vêm à luz do conhecimento geral, para que possamos nos defrontar com as trevas e deflagrarmos a grande luta, tanto externa, na medida em que há de ser feita a faxina, bem como interna, pois o momento exige uma autorreflexão de como temos que lidar com toda sorte de elementos que nos levaram a esse estado de coisas, pois somos também corresponsáveis.

    Embora existam algumas divergências em relação ao mapa do Brasil, principalmente com a hora exata do grito de Dom Pedro I, às margens do Ipiranga, trabalha-se com o horário da 16:08 h como sendo a mais factual e é esta que considerarei aqui.

    Para o Mapa do Brasil apresentado tecerei alguns comentários, que penso confirmar ser esta a hora correta.

    O Brasil é Virginiano com ascendente em Aquários, confirmando o lema “Ordem e Progresso” estampado em nossa bandeira. Embora seja este um ideal positivista da filosofia empírica de Comte, o mesmo foi adotado pelo movimento republicano e indica que a busca pelo trabalho e o desenvolvimento levam a melhoria da nação e das condições sociais. Então temos o serviço (Virgem) aliado ao desenvolvimento (Aquários), que são os signos solar e ascendente do Brasil.

    O Sol em Virgem indica um povo humilde, acolhedor e caloroso (Casa 7 que é a dos relacionamentos, que abre em Leão, com Vênus em sua cúspide), que tem também senso prático e ordeiro, trabalhador e prestativo.

    Todas as qualidades têm suas contrapartes não edificantes, sendo estas as características que devem ser trabalhadas. Assim a humildade se transforma em subserviência e aceitação das iniquidades, que sem dúvida são desvios que estamos a observar em nossa gente.

    A mesma Vênus em Leão, na Casa 7, denota uma valorização extremada do outro (aqui o outro pode ser também visto com tudo o que vem de fora), exaltando o sentido de amar com o reconhecimento do outro, podendo anular a seu próprio sentido de individualidade estabelecido pelo Ascendente (Vênus em oposição ao Ascendente).

    Daí compreendermos essa nossa natureza de subserviência ao outro, valorizando em demasia a cultura alheia, com postura de licenciosidade, até sexual, na medida em que é grande a prostituição de nossas mulheres, principalmente em regiões de turistas vindos do exterior.

    Desta forma, ficam em conflito com nossos valores ditados pelo espírito aquariano de liberdade, igualdade e fraternidade, gerando o denominado “complexo de vira-latas” que nos autoimpõe um sentimento de inferioridade diante ao mundo, conforme exposto na famosa crônica de Nelson Rodrigues escrita há décadas e ainda mais do que atual.

    A formação do nosso povo sofre deformações estruturais, sendo visível o déficit de aprendizado existente, agravado nas últimas décadas com uma multidão de analfabetos funcionais que comprometem o nosso destino. Isso é confirmado por Saturno (restrição e tolhimento) na Casa 3 (conhecimento, linguagem e aprendizado). Este eixo (Casa 3 e Casa 9) é denominado o eixo do conhecimento, sendo que se a Casa 3 indica o conhecimento básico, a Casa 9 corresponde ao conhecimento superior. Neste caso este conhecimento superior também acaba comprometido, pois se sofremos com a distorção na formação de base, teremos iguais problemas com a qualificação elevada, impactando em poucas pesquisas e avanços nas diferentes áreas da ciência. Assim, a oposição de Saturno com Marte, nos confere esta dificuldade, sendo este o grande obstáculo que teremos que vencer, pois uma nação não se constrói sem que tenhamos qualificação de ponta.

    Essa deficiência de aprendizado, no entanto, pelo trígono (Aspecto facilitador) formado com o Sol (em conjunção com Mercúrio) confere uma capacidade à nossa gente de estruturar os meios de trabalho com formação de vivência prática e de improvisação, que é o “jeitinho” que damos às coisas que muitas vezes fazem a diferença diante de outros povos, porém isso que tem sido motivo de “orgulho e esperteza” deve ser objeto de reflexão, pois parece que de fato mais dificulta do que nos auxilia.

    Em relação ao governo devemos observar a Casa 10, que abre em Escorpião, indicando que a forma de governar adotada tende a ser autoritária e centrada no exercício do poder de maneira intensa, emanado de forças muitas vezes não aparentes aos olhos daqueles que veem com superficialidade. Escorpião é regido por Plutão (deus das regiões inferiores e subterrâneas), o qual se encontra na Casa 2, o setor das finanças.

    No caso de um país este é o setor da economia e aqui cabe uma análise da Casa 2 juntamente com a 8.

    Nos mapas de pessoas, o eixo que envolve estas duas casas é denominado “os valores”, sendo que a Casa 2 afeta aos valores da pessoa e a 8 correspondendo aos valores coletivos.

    Podemos inferir, ao se tratar de um mapa de uma nação, que a Casa 2 se refere à economia e valores do tesouro público, constituindo na soma dos recursos orçamentários destinados ao provimento da função governamental, enquanto que a Casa 8 envolve os recursos, que, embora sob influência do governo, na realidade não o pertencem. Assim, podemos incluir nesta classe, todos os recursos relacionados aos fundos de pensão, FGTS, aplicações financeiras de terceiros, os depósitos nos bancos públicos que pertencem aos correntistas, bem como toda a soma de poupança de provimento destinado às gerações futuras.

    Plutão, regente natural da Casa 8, está em posição cósmica inapropriada (exílio acidental) o que impõe, nesta condição, confusões entre o que pertence à nação daquilo que pertence à coletividade. Daí compreendermos as “pedaladas fiscais”, que são manobras contábeis que o governo fez para melhorar o resultado de suas contas (não declaração nos balanços de débitos a serem repassados ao Banco do Brasil, à Caixa Econômica Federal e ao BNDES para simular que gastou menos dinheiro do que realmente havia gastado no exercício anterior), ou seja, fraude que caracteriza crime de responsabilidade, objeto do pedido de abertura do processo de impedimento da Presidente.

    Isto é agravado com a oposição existente entre Plutão e Mercúrio de Casa 8. No caso, o Mercúrio (deus que rege a retórica e a sagacidade) parece-me que neste caso está a serviço do ilícito (rege também a astúcia e o roubo), a se apropriar daquilo que não lhe pertence (lembremo-nos que o primeiro ato de Hermes-Mercúrio foi realizar o roubo das vacas de Apolo).

    Plutão também está em quadratura (aspecto de dificuldades) com Urano e Netuno, posicionados na Casa 11 (Setor da representação da Sociedade). Assim a Casa 11 é o congresso (Câmara dos Deputados e Senado).

    Neste caso a conjunção de Urano com Netuno na Casa 11, em seu lado negativo, indica lideranças sem qualquer compromisso com os interesses da coletividade. Quando o butim (Casa 2) não é negociado pelo poder da economia governamental para atender aos interesse escusos (Plutão), temos o que conhecemos: chantagens, negociatas, corrupção e todo esse quadro desolador que pontua o nosso noticiário (ao menos a mídia não manipulada).

    Aliás a mídia está associada à Casa 9, com Marte, regente da Casa 3 em Escorpião, levando a um quadro de desilusão geral (Netuno em Capricórnio é falta de autoridade hierárquica).

    A Casa 9 também representa a justiça, ao menos enquanto o ideal de justiça, e tão bem conhecemos o que se passa nos tribunais, nas suas diferentes instâncias, embora tenhamos exceções que agora se faz presentes, indicando que há esperança.

    Netuno na Casa 11 significa também o espírito de altruísmo, indicando o exercício da compaixão às causas humanitárias e sociais, o que também nos alimenta a esperança de que esta virtude felizmente ainda poderá ser obtida.

    Enquanto isso não ocorre, continuamos na velha condição de ser sempre a “Pátria da Esperança” e a “Nação do Futuro”.

    Ainda temos a Lua (mãe) em conjunção com Júpiter (fé e religião) posicionados na Casa 4, que está relacionada às nossas origens, ancestralidade, mãe e tradições. Não é sem motivo que a nossa padroeira é Nossa Senhora Aparecida, que habita o inconsciente coletivo do brasileiro. A grande Mãe.

    A Casa 4 também se relaciona à família e à propriedade e aqui, cabe alertas:

    Toda iniciativa que vier a anular esses valores, destruição da fé e dos sentimentos que nos unem, ameaçará a Nação, constituindo-se em fonte de revolta por parte do povo, como já observado nos casos em que a Santa foi aviltada. Nossa Senhora representa um arquétipo poderosíssimo.

    Que nenhum governante ou instituição ouse desafiar com discursos de desagregação os valores da família, e aqui não somente a família consanguínea, mas também a grande família que une os brasileiros, independente de sua cor, classe social, região ou credo, pois enfrentará a seu tempo o peso da mão invisível de forças jamais vistas.

    O Dharma da Nação haverá de se cumprir com a superação das dificuldades, mesmo porque a cabeça do dragão se encontra em Aquários, nas Casas 12 e 1, indicando que o Brasil haverá de exercer a liderança mundial, fazendo-se cumprir o ideal de transformar essa terra de leite e mel, na tão sonhada Terra de Vera Cruz, onde se convergirão todos os povos, todas as línguas, toda a humanidade.

    Isso, no entanto, não ocorrerá sem que façamos o trabalho necessário em nos transformar nos agentes íntegros desta grande missão.

    Não nascemos aqui por acaso. Somos os artífices desta construção.

    Somos os filhos escolhidos para a formação do berço onde florescerá a união e a paz divinal.

    Não tenham dúvida!

     

    Compartilhar:

  • O Natal dos Anjos

    Você sabia que o dia 25 de dezembro já era considerado como dia sagrado pelos povos antigos, muito antes da era Cristã?

    Postado dia 24 de dezembro de 2015 às 15h em Especial de Natal

    angeles

    Você sabia que o dia 25 de dezembro já era considerado como dia sagrado pelos povos antigos, muito antes da era Cristã?

    Egípcios, caldeus, astecas, incas e romanos celebravam através de grandes cerimônias, nessa época do ano, uma forma de  homenagem ao Sol, símbolo da luz espiritual, data do solstício de inverno no hemisfério norte, o dia mais curto do ano.

    Os romanos realizavam uma festa pagã chamada “Natalis Solis Invicti”, nascimento do Sol Invencível, no solstício de inverno. Era uma homenagem ao deus persa Mitra, popular em Roma.

    No ano de 354 d.C, o natal foi comemorado pela primeira vez como sendo a data escolhida para o nascimento de Jesus, por um decreto do papa, embora, ainda hoje  não se tenha comprovação histórica.

    Controvérsias à parte sobre ser o dia 25 de dezembro, a data do nascimento de Jesus, vamos abordar um aspecto desconhecido da maioria dos cristãos, mas do conhecimento dos ocultistas e estudiosos do lado espiritual da vida, o natal dos anjos.

    “A concepção dos anjos sobre o Natal é também bastante diferente da nossa. No Natal comemoramos o Nascimento do Cristo como homem; comemoração que, para nós consiste em grande parte na prática de uma cerimônia de uma forma; mesmo que nos rituais tradicionais da Igreja predomina o aspecto-forma do festejo. Mas os anjos veem o Natal pelo aspecto-vida, como o ponto culminante de todas as forças da Natureza em todos os planos e em todos os níveis, como a época que tem lugar a efusão direta e poderosa da força criadora e da energia espiritual emanada do próprio Deus.”1

    A descrição feita pela autora vai ao encontro da percepção que povos antigos tinham, por meio da sua ciência astronômica e astrológica, da importância dessa data.

    “Aqueles que despertaram a visão interior sabem da existência de um lado oculto do Natal, dificilmente percebido pelo homem comum, ainda que este reaja à sua influência. Devemos lembrar-nos de que a Terra está cheia de seres superfísicos, anjos, arcanjos e toda a população celestial, que se encontram num nível de evolução mais elevado que o nosso, sendo responsável pela direção e pelo controle do processo multiforme da Natureza. São seus pensamentos, sentimentos e atividades que representam uma parte tão importante na criação da atmosfera peculiar de boa vontade, tão notável no Natal. Nessa época do ano toda a Terra vibra com as maravilhosas forças derramadas pelos anjos e com a poderosa bênção do Cristo, que desce em resposta à Sua adoração.”2

    Podemos concluir que a festa de natal cristã é uma comemoração mística, cuja origem se perde nas nuvens do passado distante e que o seu alcance vai muito além das percepções dos cinco sentidos humanos. Aí está um grande mistério cujos véus ainda esperam ser desvendados e, somente o serão, quando o homem desenvolver a sua plena capacidade espiritual.

     

    1 Dora van Gelder Kunz, O Natal dos Anjos, Ed. Teosófica, pg 28)
    2 Dora van Gelder Kunz, O Natal dos Anjos, Ed. Teosófica, pg 16)
    Compartilhar:

  • A Importância da magia cerimonial na Era de Aquário

    A tônica da energia do sétimo raio será no trabalho desenvolvido em grupo, no qual cada irmão dará a sua contribuição em favor da humanidade, com um coração amoroso vertendo suas energias sobre tudo e todos

    Postado dia 23 de novembro de 2015 às 23h em Ciências e Espiritualidade

    water_three_print

    Algumas Escolas de Sabedoria, entre elas as ordens teosóficas e maçônicas, fazem algumas exigências para a admissão de membros. Duas condições exigidas para ser Iniciado, entre outras tantas, têm caráter profundamente espiritual: acreditar em uma inteligência divina e em uma vida futura. Embora o membro possa pertencer a qualquer das grandes religiões do mundo, não haveria sentido em participar de uma escola esotérica e do intenso “treinamento” que ministra aos seus membros, sem possuir uma mente que transcenda a manifestação do mundo material.

    O homem é o guardião do grande mistério, dentro dele está a arca do Tesouro Divino, o Poder (Força) que nas Escolas Orientais de mistério é conhecido por Virya e tem o mesmo significado empregado na maçonaria; a Sabedoria, representada por Vidya, na Loja uma das três grandes luzes, coluna do Venerável Mestre e a Beleza, o terceiro aspecto, que representa a manifestação do universo e que na Loja é a coluna do Segundo Vigilante.

    espadaNa Humanidade estão manifestados: o segredo da vida (Deus, o Pai); a Arca do Tesouro da Sabedoria (Deus, o Filho) e o Mistério da Manifestação (Deus, o Espírito Santo), portanto Força, Sabedoria e Beleza.

    Deus incumbiu o homem de realizar o trabalho de divinizar o mundo material, construir aqui, neste plano, o mundo celeste e trazer a Glória Divina à vida material por meio da manifestação consciente dos poderes divinos, que tem dentro si ainda de forma latente, mas que será totalmente manifestada, conforme o Plano de Deus for se realizando.

    Por isso que Paulo, o apóstolo do Cristo, se autodenominava “Mestre Construtor”, que na tradução para o português consta como “Sábio Construtor ou Sábio Arquiteto”, como segue na 1ª Carta aos Coríntios, 3:13: “Segundo a graça de Deus que me foi dada, eu pus como sábio construtor o fundamento; e outro edifica sobre ele; mas olhe cada um como constrói sobre ele”.

    A Humanidade, na sua jornada evolutiva, será regida no próximo ciclo da evolução que os astrólogos denominam “era de aquário”, pelas energias do sétimo raio, isto é, da energia da magia cerimonial e deixará para trás as influências do sexto raio, de caráter devocional, que regeu a evolução nos últimos dois mil anos.

    O estudante das Ciências Esotéricas sabe da importância da tônica vibracional  neste novo ciclo, porque o sétimo raio tem como objetivo a organização da vida na matéria. Principalmente dos veículos etéricos e seus campos de força (chakras).

    A influência do sexto raio, devocional, desenvolveu em muitos grupos religiosos uma atitude de sectarismo, excluindo os irmãos de outras religiões, portanto houve uma cristalização das doutrinas nesses círculos. Essa tendência será progressivamente deixada de lado por meio da energia, mais inclusiva e grupal, do sétimo raio.

    ­­­

    A tônica da energia do sétimo raio será no trabalho desenvolvido em grupo, no qual cada irmão dará a sua contribuição em favor da humanidade, com um coração amoroso vertendo suas energias sobre tudo e todos, tendo em conta que os interesses coletivos são mais importantes que o desejo pessoal.

    A onda consumista que contamina a vida social será substituída por uma consciência mais voltada para o social, preservação da natureza, do meio ambiente, incluindo o direito à vida dos animais, mudança de hábitos alimentares, culturais, decréscimo da violência e da corrupção que tanto prejudica a convivência humana.

    A duração desse ciclo será de 2000 anos.

    Compartilhar:

  • Energias sutis e a consciência

    "A Mente cavalga os ventos”, o significado deste pensamento tibetano é que a consciência somente pode se manifestar no cérebro se houver prana, energia vital, fazendo a interconexão entre o corpo emocional e o corpo físico.

    Postado dia 23 de outubro de 2015 às 14h em Ciências e Espiritualidade

    universe

    Embora o corpo etérico não seja o veículo da consciência sem ele os pensamentos não podem ocorrer em nosso cérebro.

    Tal fenômeno ocorre nos casos de uso da anestesia que provoca o afastamento do duplo etérico do corpo físico, mas isto  também pode ser provocado pelo estado hipnótico, pela acupuntura, em casos de acidente quando as pessoas entram numa espécie de transe chamado “estado de choque”, pela mediunidade, pelo sonambulismo, pelo uso de drogas, etc. Em fim são muitas as ocorrências ou intervenções que podem levar a estados em que há ausência de sensibilidade ou de consciência no corpo físico.

    O que sabe a ciência sobre esta estrutura de energia prânica que se manifesta por meio de uma rede, ou malha justaposta ao corpo físico?

    Muito pouco, por enquanto. Qualquer pessoa que tenha certo desenvolvimento psíquico e que tenha saído do seu corpo físico, de forma consciente, sabe que o cérebro físico não é a sede da consciência de vigília. As pessoas que passaram pela experiência de morte e que depois foram ressuscitadas relataram a existência da consciência fora do cérebro físico.

    A descrição feita pela Teosofia do aparelho psíquico humano difere das explicações dadas pelas várias linhas psicológicas.

    Na visão teosófica a vida no plano material se manifesta por meio de um mecanismo tríplice: o vital (prana e o corpo etérico), o astral (corpo das emoções) e o mental (corpo dos pensamentos).

    Cada molécula do nosso corpo possui a sua contraparte etérica, por meio da qual circula a energia vital, emocional e mental.

    O corpo etérico possui uma cor cinza azulada com alguma luminosidade, e nas observações feitas por C.W. Leadbeater parece uma teia com fios criando uma trama apertada que separam os chakras localizados na coluna vertebral. Funciona como um dispositivo de proteção impedindo que energias do meio ambiente e que estão fora do controle do individuo penetrem no interior.

    O uso de substâncias que contem álcool, drogas e tabaco alteram e até destroem a textura sutil desta teia, gerando doenças e distúrbios psicológicos. Observações revelaram que o uso continuado de narcóticos afeta os chakras, a direção do movimento interior dos chakras é invertido pela substância, sendo esta a causa do vício, esta alteração produz no paciente estado de medo e ansiedade.

    Estados de ansiedade, agressividade e depressão alteram o fluxo normal da energia vital gerando doenças no corpo físico. Por exemplo, o medo e a depressão reduzem o fluxo do prana, principalmente nos rins. Se houver um excesso de velocidade na circulação do prana, haverá um rápido escoamento da energia resultando no esgotamento do nosso reservatório de energia. A pressão alta tem como causa este distúrbio. A tensão nervosa, por algum problema de cunho emocional, também gera um esgotamento podendo ocasionar doenças cardíacas e renais graves.

    Quando não há conflitos emocionais, quando a mente está calma e serena as energias prânicas não encontrando bloqueios se distribuem de forma uniforme e ritmada, trazendo saúde e equilíbrio ao corpo.

    OS CHAKRAS

    O corpo etérico, a exemplo do corpo físico, possui os seus órgãos específicos, os Chakras são centros de assimilação e distribuição do prana ao corpo etérico e deste aos órgãos físicos. Eles possuem as suas 8e2b14a9a4cfca01654d4b2474cd21cfcontrapartes no corpo emocional e mental. Portanto, estamos falando de corpos dentro de corpos, cada um no seu nível dimensional correspondente.

    Dora Kunz que foi presidente da seção americana da Sociedade Teosófica, juntamente com a Dra. Shafika Karagulla, uma médica americana pesquisaram exaustivamente o método de diagnóstico clarividente no estudo das doenças e desenvolveram uma abordagem juntando a ciência e teosofia nos seus trabalhos.

    Nas suas observações verificaram:

    – Os Chakras são ao mesmo tempo transmissores e transformadores  de energia de campo para campo sincronizando as energias mentais, emocionais e etéricas. Eles aumentam ou diminuem a energia, reduzem ou aceleram a sua atividade de um plano para outro, de forma que a energia mais rápida do corpo emocional possa afetar a energia mais lenta do corpo etérico e vice-versa.

    -No caso de uma pessoa com problemas emocionais essa energia atravessa todo o campo etérico afetando o corpo como os rins e inversamente quando o corpo está estressado, uma parte do fluxo exterior que parte do etérico, passando pelos chakras afeta o campo emocional. Portanto o processo possui mão dupla e a interação energética ocorre tanto de cima para baixo como de baixo para cima.

    -As cores variam de um chakra para outro. Os centros de cada um deles são dinâmicos e sua velocidade de rotação depende do estado de saúde e da qualidade do fluxo. Todo o processo é semelhante ao mecanismo da respiração, pois a energia é, por assim dizer, inspirada e exalada pelo ser humano.

    -A energia penetra pelo núcleo do chakra, alcança a coluna vertebral através do tronco-cerebral, fluindo pelo sistema de nadis, condutos, ao sistema nervoso físico. Depois retorna aos chakras e desloca-se para o exterior em aspirais por meio do núcleo de pétalas, num permanente influxo e escoamento.

    -Qualquer processo de doença é visível nos chakras, vez que altera o seu movimento harmônico e a textura dos seus componentes, como a tonalidade da cor, o brilho, tamanho, rapidez de movimento e o ritmo.

    – Pode-se observar a qualidade do desenvolvimento da consciência do indivíduo, seus pontos fortes e fracos, suas habilidades e deficiências, por exemplo, num indivíduo simples e relativamente subdesenvolvido, os chakras serão tumblr_n91p78PBEN1qekbgno1_250pequenos, lentos, de coloração opaca e de textura grosseira. Em um mais sensível, de mente receptiva e inteligente eles serão brilhantes, textura fina e movimentos rápidos e de tamanho maior. Em uma pessoa desperta que desenvolveu totalmente os seus poderes, eles se tornam fulgurantes centros coloridos.

    – No caso de um cantor talentoso o chakra laríngeo e o frontal são bem maiores que o de uma pessoa normal, além de mais brilhantes, luminosos e giram com mais rapidez. No caso de um médium incorporador o chakra do plexo solar também é aumentado, mas apresenta uma textura grosseira, cores escuras e alguma disritmia e frouxidão no núcleo. No caso de um bebê os chakras medem cerca de três centímetros parecendo pequenos discos rígidos.

    -As pesquisas revelaram que as glândulas endócrinas estão relacionadas com os sete chakras etéricos. Os diversos chakras também indicam o foco de interesse da pessoa. Se a pessoa é romântica, sentimental o chara do coração e do plexo solar serão mais ativos e maiores que os demais chakras. Se o chakra frontal tiver muito brilho indica um grau elevado de integração pessoal. Se o chakra coronário for especialmente luminoso indica o desenvolvimento da consciência espiritual. Portanto, o grau de interação e desenvolvimento dos chakras etéricos com suas contrapartes emocional e mental determinam o potencial do indivíduo para o desenvolvimento de uma percepção espiritual.

    – O fio da consciência está ligado ao núcleo do chakra coronário, durante o sono o fluxo de energia diminui e retoma o seu fluxo normal ao despertar. O fio da vida está ligado no chakra cardíaco e deste ao coração físico. Por ocasião da morte, o fio da consciência se retira do chakra coronário e o fio da vida se desliga do chakra cardíaco, iniciando assim a desintegração de todos os outros chakras e do corpo etérico que ainda  levará alguns dias para total desintegração.

     

    Doenças que afetam o cérebro e a consciência

     

    • Dislexia: É um transtorno da linguagem caracterizado pela dificuldade de ler e entender palavras e números compromete a capacidade de aprendizagem para ler, escrever e entender um texto. Foram feitas descobertas que mostraram diferenças na anatomia do cérebro de disléxicos. O estudo das células nervosas, neurônios, revelou a existência de células menores na área do Tálamo e do Córtex o que pode alterar a regulação precisa do tempo que é requerida para a transmissão eficiente da informação.

    Foram observados dois pacientes mãe e filho. Ela sentia um leve bloqueio quando lia as letras b e d e os números 5 e 8 ou 6 e 3, além de ter dificuldade em decorar números, era incapaz de usar uma calculadora, pois não sabia identificar os números certos. Já o filho dela apresentava um grau maior de dislexia.

    A observação clarividente revelou que havia um deslocamento do campo etérico da substância cerebral em determinados segmentos dos percursos visuais, isto é, a energia etérica parecia não percorrer a trilha neuronial de forma suficiente. Outro fato observado foi uma ligeira defasagem no tempo entre os impulsos elétricos que partem dos tubérculos quadrigêmeos no mesencéfalo dirigindo-se ao lobo parietal, a região sensorial e motora do cérebro (confirmado pela hipótese científica dos neurônios menores no cérebro do disléxico)

    No caso da mãe foi observado um campo etérico geral levemente flácido e grosseiro, seu campo emocional se revelava volátil, com movimentos intensos e rápidos. Havia ressentimento e insegurança, aliados a um sentimento de ansiedade recorrente.

    • Austismo: Caracteriza-se pela incapacidade de interagir socialmente, falta de domínio e desenvolvimento da linguagem e padrões de comportamento repetitivos e restritivos.

    No cérebro etérico foi constatado uma anormalidade no lado esquerdo, além de uma falta de sincronia entre dois circuitos de prana: um que circula próximo da superfície do cérebro, pequeno loops (laços) e grandes loops que circulam de forma mais profunda no cérebro. Em pessoas normais há uma sincronia da circulação prânica mais superficial com a mais profunda. O que não ocorre em autistas. No circuito imagesmenor vistos na superfície do cérebro os impulsos elétricos eram mais lentos, mais entorpecidos e menos vitais do que na pessoa normal. Os circuitos maiores (as ligações com o tálamo, mesencéfalo, etc, eram lentos e como não estavam sincronizados  com os circuitos menores, pareciam às vezes agir de forma independente. Isto causava os movimentos convulsivos. Palavras que envolviam conceitos mais abstratos como “escola” estavam acima da compreensão do autista. A forma do chakra coronário também era anormal e sua periferia irregular, o que interferia no fluxo de energia para o cérebro físico.

    Os chakras etérico, astral e mental desalinhados, isto é, não se conectavam corretamente, e o resultado era um claro entre eles. Quando ocorria um pensamento ele não se completava, havendo um lapso entre a coordenação da mente e a expressão física da fala, resultando em uma dificuldade de sincronização da mente e a expressão da fala.

    Os campos etéricos não revelavam nenhuma forma de doença, somente a falta de coordenação.

    O corpo astral era menor que o de uma pessoa normal, era opaco, com cores pálidas e desbotadas.

    O corpo mental também era pequeno, pouco colorido, o que demonstrava que suas ideias eram limitadas e pouco desenvolvidas.

    Resumindo o autismo parece ser um estado de mau funcionamento dos impulsos nervosos entre a massa cinzenta do cérebro e outros centros. O deslocamento do etérico com relação à substância cerebral é muito grave. Existe ao mesmo tempo uma falta de sincronização e de integração entre o nível etérico, astral e mental.

    • Sindrome de Down: É uma forma grave de deficiência ou retardamento mental por causa de um cromossomo a mais, portanto é uma doença genética, facilmente diagnosticada quando do nascimento devido às características da criança: cabeça pequena, olhos oblíquos, etc.

    Os distúrbios mais surpreendentes, no caso observado, foram encontrados nas regiões etéricas das glândulas pituitária, tireoide e timo e cerebelo. O lado esquerdo do cérebro tinha um mecanismo de curto-circuito que  lidava com toda a periferia do cérebro. O equilíbrio hormonal da glândula pituitária era anômalo.

    O Chakra coronário etérico era menor do que a média, e seu núcleo pequeno, seu ritmo era lento e sua cor opaca, com muitas irregularidades em suas pétalas.

    O corpo etérico como um todo tinha tamanho normal, possuindo apenas uma textura mais frouxa que o normal.

    O corpo astral exibia menos cores do que a média, porém mais do que as crianças autistas.

    O corpo mental apresentava algumas anormalidades, mas era de melhor qualidade do que a criança autista. As ligações entre o corpo mental, astral e o etérico eram melhores, mas apresentavam alguma frouxidão. Por esse motivo o potencial mental de uma criança com a síndrome de Down oferece uma possibilidade maior de desenvolvimento, vez que ela tenta manter contato com o mundo exterior, ao passo que a criança autista tem uma enorme dificuldade de comunicação.

    • Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC): O transtorno obsessivo-compulsivo é um transtorno de ansiedade em que as pessoas apresentam pensamentos, sentimentos, ideias, sensações (obsessões) ou comportamentos repetidos e indesejados que fazem elas se sentirem forçadas a fazer alguma coisa (compulsões).

    A observação do campo etérico eral era de tamanho normal, sem apresentar nenhum distúrbio importante, a não ser uma leve flutuação no nível de energia, entretanto o ritmo apresentava um desequilíbrio. O lado esquerdo do corpo etérico era menor e menos ativo do que o direito. Além disto, o etérico estava ligeiramente desligado do corpo físico, e possuía textura porosa. Como o paciente, às vezes ouvia vozes, foi verificado que era proveniente de perturbações no chakra do plexo solar, e não no laríngeo onde é mais comum. Este chakra era disritmico e o paciente observado se alterava emocionalmente com facilidade, e sua energia etérica enfraquecia durante as crises de ansiedade, com repercussões de ordem física.

    O corpo astral parecia dentro da amplitude normal, mas havia uma surpreendente anormalidade tanto no ápice da aura quanto na periferia, que dava a impressão de estar esfarrapada. A aura exibia ainda caption_the_artwork_closeup_from_angelo_bronzinos_venus_cupid_folly_and_timeuma grande quantidade de cinza, raiado de vermelho, o que indicava contrariedade. Um amarelo-esverdeado pálido, que pareciam borrões, indicavam ciúme. Havia uma completa disritmia entre os dois lados da aura, o distúrbio maior ocorria do lado direito.

    O corpo mental era moderadamente límpido, mostrando que os pensamentos estavam ativos, porém de forma mais lenta que o normal. Ele conseguia pensar sem, contudo por em prática seus pensamentos, pois o mecanismo de execução requer que o pensamento seja transmitido do nível mental ao etérico, através do astral. Seu bloqueio ocorria entre o mental e o astral. A negação do pensamento era responsável pela compulsão, como ele era egocêntrico, sua energia etérica era interceptada ao entrar, havendo pouco escoamento, o que reduzia a vitalidade do corpo etérico. O alinhamento entre o astral e o mental era extremamente fraco, não permitindo que os campos causal e mental controlassem o emocional.

    O que ficou claro do histórico desta doença foi o fato de que o alinhamento entre os corpos são extremamente importantes, pois são eles que criam a integração da personalidade tornando a ação possível.

    5-Bipolaridade: Tinha a denominação de psicose maníaca-   depressiva. Não se conhece a causa do transtorno bipolar, mas costuma ocorrer em famílias que tem indivíduos com este histórico. São pessoas que alternam períodos de nível elevado de energia e impulsividade com períodos de depressão.

    O indivíduo observado foi diagnosticado como maníaco-depressivo isto é bipolar, com tendências esquizofrênicas. Já havia tentado o suicídio aos 16 anos.

    A observação clarividente revelou um fluxo muito rápido na energia etérica, o núcleo do chakra do plexo solar era disritmico e desequilibrado  com relação à contraparte astral, que era sua principal fonte de problemas. Tinha uma sensação de poder oriunda do seu ativo plexo solar, sendo, porém incapaz de manifestar suas energias. Tinha um temperamento forte e um excesso de energia astral que explodia de várias maneiras e depois não se lembrava do que tinha feito. Havia um excesso de energia gerado no chakra do plexo solar tanto no campo astral como no  etérico que não era manipulado ou transmutado no nível físico. O centro frontal etérico apresentava o mesmo tipo de disritmia do chakra do plexo, com alguma frouxidão na periferia. O chakra coronário etérico exibia uma disritmia nas pétalas e frouxidão  na periferia do centro.

    Outro caso observado de um paciente com depressão e tendências suicidas, com excessiva sensibilidade aos ruídos à sua volta, revelou um corpo etérico de cor azul turvo, com várias tonalidades. A luminosidade era acima da média e o movimento era rítmico e também acima da média. O tamanho era normal, mas o campo de energia era mais largo do lado esquerdo do corpo e caído na região do plexo solar. A elasticidade era normal e a textura fina, mas havia pequenas falhas em todo o corpo etérico o que indicava uma tendência a distúrbios psicossomáticos.

    • Esquizofrenia: A ciência ainda não identificou as causas da esquizofrenia. O termo significa mente dividida. Os sintomas que mais a caracterizam são o delírio e a alucinação. Na alucinação a pessoa vê coisas que ninguém mais vê, ouve vozes ameaçadoras que ninguém ouve. Na fase delirante a pessoas pode relatar que está sendo perseguida por inimigos, etc.

    A observação revelou que o chakra coronário etérico estava mais cinza nas pétalas do que no núcleo, o que é uma disfunção. A luminosidade era baixa e o movimento sem ritmo e variável tanto nas pétalas como no núcleo. A forma também não era normal, pois a periferia das pétalas era dentada como uma serra. Até a borda do núcleo era irregular e havia uma rachadura que atravessava todo o chakra da frente até atrás, causando uma grave disritmia. Havia um leve vazamento de energia resultante da falta de uma delimitação nítida no núcleo do chakra. A textura do centro era grosseira e flácida com pouca elasticidade. A cor cinza era responsável pela anormalidade impedindo as energias de níveis superiores, por este motivo as emoções eram predominantes.

    O tálamo estava marcado por impulsos irregulares de energia etérica que tinham o efeito de retardar o ritmo e a glândula pineal não funcionava normalmente.

    O chakra frontal também estava tingido de cinza, com vermelho no núcleo e cinza, vermelho e verde nas pétalas. O núcleo estava rachado no meio, como no chakra coronário, o movimento irregular afetava a percepção visual.

    No chakra laríngeo etérico as pétalas eram azuis e cinza e o núcleo de um azul escuro quase preto, indicando que havia um afastamento do “Eu Superior”.

    O chakra do plexo solar era embotado e anormal, e suas pétalas amarelas, cinza e vermelha. O vermelho indicava a ira que assumia o comando, controlando o comportamento. Quando isto acontecia a sede da consciência se transferia do coronário para o plexo solar.

    Todos os chakras apresentavam uma espécie de rachadura, além disso, entre o chakra etérico e o astral havia a predominância de cor cinza indicando depressão.

    O fato de um chakra ou aspecto particular do campo etérico ser apontado como causa da doença, não significa que outros fatores não estejam envolvidos, pois não existe uma separação entre os sistemas de chakras, os campos etéricos do cérebro e dos órgãos, todos funcionam juntos como um todo. As observações realizadas visavam primordialmente mostrar com clareza os fatos.

    O Papel da Consciência sobre as Energias Sutis

    O trabalho da Dra. Shafica Karagulla e Dora Kuns também enveredou pelo lado da consciência, isto é, como o pensamento e o sentimento podem afetar a recuperação dos estados mórbidos e restabelecer a saúde.

    A meditação é um aspecto importante no processo de restabelecer a saúde, pois nos liga com o chamado “Eu Superior”, nossa alma e essência
    espiritual. Acessamos as energias superiores o que significa nos ligarmos a uma fonte de força e de paz. Há muitas formas de meditação pode ser mântrica, como no caso dos hindus que recitam o Gayatri, no mínimo três vezes ao dia, nos chamados horários mágicos, hora de Brahma, de Vishnu e de Shiva (por volta das 06:00 – 12:00 e 18:00 horas). Na Teosofia há a meditação nos corpos: físico, etérico, astral e mental, etc.

    O importante no processo é a regularidade, isto é, estabelecer um horário diário e cumprir rigorosamente o mais próximo possível do que foi estabelecido.

    Participar de rituais religiosos, missas, ritos maçônicos, budistas, etc. também auxiliam a transmutar energias deletérias em energias salutares. Quem participa destes movimentos deve aproveitar ao máximo as reuniões para realizar por meio deste trabalho as mudanças nos seus estados mentais, emocionais e físicos. De uma forma geral isto já ocorre, mas pode ser intensificado com a concentração mental e a visualização. Neste aspecto, a Sociedade Teosófica com os conteúdos que ministra por meio de sua doutrina e os movimentos paralelos que foram criados como: Escola Esotérica da Teosofia, Co-Franco-Maçonaria, Igreja Liberal, Távola Redonda e outros disponibilizam um arsenal de instrumentos para elevar a consciência, de acordo com as características intrínsecas de cada membro.

    Compartilhar:

Página 1 de 11