Colunistas

avatar

Gilvanda Figueiroa

Profissão: Administradora de Empresas

Cidade: Guararema

Consultora de Gestão de Pessoas e Administração do Sebrae-SP, Escritório Regional Alto Tietê.

  • Comunicação, vilã ou amiga?

    De nada adiantam aquelas ações pontuais nos momentos de crise, uma vez que servem apenas para apagar o incêndio atual e não corrigem as causas dos problemas

    Postado dia 18 de março de 2016 às 00h em SEBRAE

    comunicação

    Foto: Divulgação/Internet

    É frequente a reclamação dos empresários sobre conflitos entre dois ou mais integrantes da equipe de trabalho ou mesmo entre os sócios, geralmente comprometendo os resultados do negócio. Processos truncados de relacionamento transformam a falta de comunicação na grande vilã do alcance das metas das empresas. Nesse cenário, atuar diretamente em proporcionar meios, melhorar, otimizar, direcionar a comunicação interna trará, consequentemente, resultados expressivos em curto período de tempo.

    Ações como criar canais de comunicação adequados e disseminar uma política de portas abertas na qual as pessoas possam, de fato, esclarecer suas dúvidas, apresentar suas sugestões de melhoria, informar sobre problemas ocorridos sem medo de retaliações já contribuem enormemente para a boa comunicação empresarial, uma vez que a confiança mútua se configura em um valor interno importante para a cultura da empresa.

    Outro fator importante para o bom ambiente de trabalho é a prática do feedback: as pessoas têm a necessidade e o anseio de saber como estão se saindo ao desempenhar suas atividades. Sempre haverá um superior que avalia o trabalho realizado por alguém. Não saber se a avaliação é positiva ou negativa faz com que a pessoa fique tentando encontrar respostas – nem sempre corretas, porque adivinhadas – e esse movimento gera stress, que é descarregado onde houver oportunidade – quase sempre em momento impróprio.

    Grande parte das tensões no ambiente são decorrentes de processos de trabalho mal definidos e de falhas na configuração de responsabilidades. Naquelas empresas onde todo mundo faz um pouco de tudo, normalmente ninguém é responsável por nada, principalmente quando há problemas. Investir seriamente em definir o organograma da empresa, que é uma ferramenta fundamental de comunicação; investir nas descrições de função, investir em formatar procedimentos claros, simples e bem comunicados traz sempre consequências positivas para a gestão.

    De todo modo, fica evidenciado que é possível e necessário compreender os processos de comunicação e atuar para otimizá-los. No atendimento do Sebrae o pequeno empresário poderá receber a orientação adequada para fazê-lo com eficácia.

    Compartilhar:

Página 1 de 11