Colunistas

avatar

Enrique Parapar

Profissão: Fisioterapeuta

Cidade: Mogi das Cruzes

Fisioterapeuta e professor de Educação Física pós graduado em fisioterapia do Trabalho e pós Graduado em Atividades em Academias. Professor do curso de pós graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da UMC, e professor do curso de pós graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da UNICID. Professor do curso de pós graduação em Fisioterapia do Trabalho do IEDUV. Diretor da EDP Consultoria – Ergonomia e Higiene Ocupacional e membro da Asociación Española de Ergonomia.

  • Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho

    É frequente o número de trabalhadores afastados por doenças do trabalho. Dados da Previdência Social indicam que 70% das enfermidades laborais são relacionadas aos riscos ergonômicos

    Postado dia 18 de novembro de 2015 às 08h em Saúde e Bem Estar

    IS098U3AQ1

    Em 1700, o médico italiano Bernardino Ramazzini relatou que “a necessária posição da mão para fazer correr a pena sobre o papel ocasiona não leve dano que se comunica a todo braço, devido à constante tensão tônica dos músculos e tendões e, com o andar do tempo, diminui o vigor da mão”. Tratava-se de distúrbios osteomusculares que acometiam os então escribas e notários.

    No ambiente laboral, temos o enorme desafio de conhecer e evitar que atividades dos trabalhadores causem enfermidades que possam comprometer sua qualidade de vida e capacidade laborativa.

    É frequente o número de trabalhadores afastados por doenças do trabalho. Dados da Previdência Social indicam que 70% das enfermidades laborais são relacionadas aos riscos ergonômicos, gerando distúrbios osteomusculares.

    DEFINIÇÃO:

    Trata-se de afecções que acometem o sistema musculoesquelético ocorridas em decorrência do trabalho.

    HISTÓRICO:

    • Em 1973, no XII Congresso Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, o termo LER foi utilizado para descrever tenossinovites em lavadeiras, limpadoras e engomadeiras.
    • Em 1985, a OMS (Organização Mundial De Saúde) classifica as “doenças relacionadas ao trabalho” como multifatoriais. Os fatores relacionados ao trabalho contribuem de maneira importante para a gênese da doença, mas eles são apenas uma classe de fatores, dentre outros, que contribuem para essa gênese.
    • Em 1987, é publicada a portaria número 4062, pelo Então Ministério Da Previdência E Assistência Social, reconhecendo a tenossinovite como doença do trabalho.
    • Em 1997, é publicado no diário oficial da união, de minuta de texto pelo INSS para receber contribuições da sociedade, para elaboração de “norma técnica para avaliação da incapacidade laborativa em doenças ocupacionais – distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho – DORT”.

    NOMENCLATURAS:

    Existem várias nomenclaturas que tratam do mesmo assunto. As mais conhecidas são:

    • EUA – DTC (distúrbios por traumas cumulativos);
    • Austrália – LTR (lesões por tensões repetitivas);
    • Japão – DCO (distúrbios cervicobraquiais ocupacionais);
    • França – SOO (síndrome do overuse ocupacional);
    • Brasil – LER (lesões por esforços repetitivos) e LTC (lesões por traumas cumulativos).
    • Em 1995, o termo worked-related muskuloskeletal disorders (WMSD) – distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) é consolidado nos centros científicos mais avançados do mundo.

     

    PRINCIPAIS CAUSAS:

    Os fatores que podem levar à aquisição de DORT podem ser divididos em primários (geradores) e secundários (contributivos). Os principais fatores são:

    Fatores Primários Fatores Secundários
    Má postura Estresse
    Repetitividade Excesso de horas extras
    Exigência de força muscular Trabalho em temperaturas baixas
    Vibração Ritmo de trabalho acelerado
    Compressão mecânica Mobiliário/equipamentos inadequados

     

    ÁREAS DO CORPO MAIS AFETADAS:

    As regiões do corpo mais atingidas pelos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho são:

    • Pescoço (coluna cervical);
    • Ombros;
    • Cotovelos;
    • Punhos;
    • Mãos;
    • Coluna tóraco-lombar.

     

    PATOLOGIAS:

    As enfermidades mais frequentes nos distúrbios osteomusculares são:

    Tendinite Hérnia de Disco
    Tenossinovite Epicondilite
    Bursite Gânglios
    Fascite Lombalgia
    Dorsalgia Lombociatalgia
    Cervicobraquialgia Protusão de Disco
    Síndrome do Túnel do Carpo Síndrome de De Quervain

     

    SINAIS E SINTOMAS:

    O trabalhador acometido por DORT poderá manifestar os seguintes sinais e/ou sintomas:

    • Dor,
    • Formigamento (parestesias),
    • Diminuição da força muscular,
    • Inflamação,
    • Inchaço (edema),
    • Dormência (hipoestesias)
    • Cansaço,

     

    ESTÁGIOS CLÍNICOS:

    Na maioria dos casos os estágios clínicos de DORT seguem a seguinte sequência:

    • Grau I – Sensação de peso, desconforto e dor. Ausência de sinais clínicos. Produtividade normal.
    • Grau II – Dor mais persistente e intensa, sensação de calor e formigamento. Discreta diminuição da produtividade.
    • Grau III – Dor persistente e irradiada, formigamento e diminuição da força muscular. Produtividade comprometida e alterações nas atividades da vida diária.
    • Grau IV – Dor forte e contínua, alterações psicológicas e dificuldades para dormir. Total comprometimento da produtividade. Sinais clínicos de edemas e inflamações.

    Cabe mencionar que a maioria dos trabalhadores procura o médico da empresa ou particular, quando se encontra no Grau III.

    A falta de investimento em ergonomia e saúde do trabalhador é o principal vilão nesse caso. Constantemente, trabalhadores são afastados temporariamente ou definitivamente de suas atividades laborais, quando acometidos de enfermidades do sistema musculoesquelético.

    Empresas que investem na prevenção de doenças do trabalho colhem bons frutos, estudos indicam que, para cada US$ 1,00 investido, o retorno é de US$ 4,00.

    Na próxima edição, falaremos sobre a ergonomia aplicada ao trabalho, ciência tão importante no nosso dia a dia ocupacional.

    Compartilhar:

  • Atividade física e saúde

    Atividades físicas, além de melhorarem o desempenho corporal e mental de uma pessoa, servem como prevenção de diversas enfermidades graves.

    Postado dia 29 de outubro de 2015 às 11h em Saúde e Bem Estar

    atividades_fisicas

    “Caminhar é acessível a todo mundo, o custo é zero, e os benefícios, mil. É falsa a idéia de que atividade física só funciona se praticada em academia, clube ou parque”, diz o Doutor Celso de Carvalho, Fisioterapeuta e Professor do Departamento de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da USP. Já para o Doutor Victor Matsudo, Médico e Consultor da Organização Mundial de Saúde (OMS): “Foi caminhando que a espécie humana evoluiu no planeta e que se desenvolveram o nosso metabolismo, coração, cérebro, rins e demais sistemas orgânicos”.

    Agora, verifique se você:

    • Usa a esteira ou bicicleta ergométrica como cabide;
    • Nos shoppings, apenas utiliza elevadores e escadas rolantes;
    • Em casa ou no trabalho, não sobe escadas nem anda bastante;
    • Em casa, evita tarefas como lavar, varrer e encerar;
    • Ao sair de casa, utiliza carro, metrô, trem ou ônibus;
    • Deixa o carro ao lado do estacionamento do local de trabalho;
    • Tem como principal lazer navegar na internet, jogar videogame ou assistir televisão;
    • Não possui um horário para praticar algum tipo de atividade física.

    Se você respondeu sim à maioria das frases, é hora de mudar seus hábitos. Você é candidato (a) ou já é sedentário (a).

    O ser humano foi programado para movimentar-se. O movimento e o raciocínio foram determinantes para o ser humano estabelecer-se no planeta e ocupar posição dominante.

    A prevenção de 10 enfermidades

    Quem pratica atividades físicas regularmente tem inúmeros benefícios. Há farta comprovação de que exercícios regulares diminuem o risco de 10 doenças, tais como:

    • Obesidade;
    • Diabetes;
    • Hipertensão Arterial;
    • Infarto do Miocárdio;
    • Acidente Vascular Cerebral (Derrame);
    • Hipercolesteronemia (Colesterol Alto);
    • Osteoporose;
    • Câncer de Mama;
    • Câncer de Intestino;
    • Câncer de Pulmão.

    Menos enfermidades significam maior longevidade e qualidade de vida.

    Benefícios da atividade física

    Após o início da prática regular de exercícios, a maioria dos praticantes relata os seguintes benefícios:

    • Melhora do sono;
    • Melhora no funcionamento do intestino;
    • Aumento da amplitude das articulações, facilitando a movimentação do corpo;
    • Melhora do nível de atenção e concentração;
    • Aumento do bem-estar e disposição para o dia a dia;
    • Diminuição de dores nas costas;
    • Melhora do humor;
    • Diminuição da ansiedade e depressão;
    • Diminuição do estresse;
    • Melhora da autoestima;
    • Aumento da resistência.

    Por onde começar

    A partir do momento que você decidiu iniciar a prática de atividades físicas, é necessário seguir regras para que o exercício lhe proporcione benefícios. Cuidado, pois atividades físicas mal executadas podem ser perigosas para a saúde.

    Para iniciar seu programa de exercícios é necessário:

    • Consultar o médico de sua confiança (preferencialmente o cardiologista ou médico do esporte) para verificar se está apto para atividades físicas;
    • Se puder, consulte o nutricionista para saber que alimentos são indicados. Não faça dietas por conta própria, isso pode ser prejudicial ao organismo;
    • Procure orientação do professor de educação física. Ele estabelecerá que atividades devem ser praticadas de acordo com suas características e programará os limites dos exercícios.

    Onde praticar atividades físicas

    Existem opções de locais para a prática de exercícios, tais como academias, clubes, centros esportivos, etc. Se você não tem como optar por essas opções, as praças são ótimas opções para andar/correr.

    Se optar por fazer caminhadas, após a liberação médica inicie andando diariamente 30 minutos no mínimo, utilizando calçado apropriado (tênis para caminhada/corrida) e roupas confortáveis, preferencialmente de algodão.

    Dicas para sua atividade física

    O Professor Flávio Garcia nos ensina que:

    1. prática de exercícios, de intensidade moderada, durante meia hora por dia é suficiente para que o cidadão deixe de ser sedentário. Estes trinta minutos podem ser contínuos ou divididos em três períodos de 10 minutos cada.
    2. Quando se fala em exercícios, o mais importante é que você pratique alguma atividade que se adapte ao seu estilo de vida e que seja do seu agrado. Caso contrário, são muitas as chances de interrupções.
    3. Pequenas modificações no hábito diário – como subir escadas, saltar do ônibus um ponto antes, passear com cachorro, varrer, cuidar do jardim, lavar o carro, etc. – podem ajudá-lo a movimentar mais e servir como um estímulo para o início de uma atividade física diária.
    4. Os efeitos benéficos da atividade física ocorrem para as pessoas que se exercitam com regularidade. Aqueles com IMC entre 25 e 30 (sobrepeso), nestas condições, podem ter um risco menor de desenvolver diabetes e outras doenças metabólicas do que os sedentários.
    5. De acordo com o United States Departament of Health and Human Services, é importante que os adultos pratiquem duas horas de atividades anaeróbicas (musculação localizada), por semana, além dos 30 minutos de caminhada intensa por dia. Nos casos de pessoas com diabetes, hipertensão, obesidade e pessoas com problemas no metabolismo ósseo, por exemplo, é preciso ter um cuidado especial na escolha dos exercícios a praticar. Nestes casos, é imprescindível o acompanhamento de um profissional.
    6. 1 minuto de atividade física intensa é compatível com 2 minutos de atividade moderada. Caminhada em ritmo acelerado, hidroginástica, passeio de bicicleta e jogo de tênis em dupla são alguns dos exemplos para atividade moderada. Já a corrida, a natação, o basquete e a corrida de bicicleta são consideradas intensas.
    7. Durante a prática de um exercício físico é possível que haja uma redução na taxa de glicose da pessoa. O indicado, principalmente para pessoas com diabetes, é que carreguem consigo algum tipo de carboidrato de rápida absorção.
    8. As atividades físicas melhoram a sensação de bem-estar, diminuem a ansiedade e a probabilidade de depressão, por liberarem a serotonina (hormônio conhecido como “molécula da felicidade”).
    9. Dentre os benefícios da prática de exercícios estão: a diminuição do apetite, a melhora do humor, a perda de gordura (emagrecimento), o enrijecimento dos músculos, a melhora da imunidade e o retardo do envelhecimento.
    10. Uma recente pesquisa feita pelo Overseas Development Institute, na Grã Bretanha, mostrou que o número de adultos obesos cresceu quatro vezes nos últimos 30 anos, em países em desenvolvimento, ou seja, são mais de 1 bilhão de pessoas acima do peso.

    Mãos à obra e aproveite os benefícios dos exercícios!!!

    Referências Bibliográficas:

    Martins, M.A. Saúde: a hora é agora: orientações de grandes especialistas brasileiros. Barueri, SP, Manole, 2010.

    Compartilhar:

  • Vamos largar o cigarro?

    O saudoso professor e médico pneumologista José Rosemberg dizia que “qualquer que seja sua idade e duração do tabagismo, sempre é tempo para largar o fumo e se beneficiar”.

    Postado dia 2 de setembro de 2015 às 00h em Saúde e Bem Estar

    cigarro_apagando
    Ao parar de fumar, os benefícios são imediatos. Do ponto de vista financeiro, o custo de um maço de cigarros por dia poderá ser substituído por 7 dias de férias no Brasil. Do ponto de vista clínico, a pressão arterial, a frequência cardíaca e o nível de oxigênio voltarão ao normal. A nicotina será eliminada dos vasos sanguíneos e em pouco tempo, o olfato e paladar voltarão ao normal. Além disso, a respiração e a circulação melhorarão.

    Outros benefícios ocorrerão. Em dois anos, o risco de infarto agudo do miocárdio diminuirá substancialmente, assim como o risco de acidente vascular cerebral (AVC).

    NICOTINA

    o-que-e-nicotina-e-seus-efeitos-300x228O tabagismo é responsável direto ou indireto de cerca de 50 doenças. 50% dos tabagistas morrerá por causa do tabaco. Anualmente, 5 milhões de pessoas morrem por causa do cigarro, sendo 200 mil no Brasil.

    A nicotina é uma das 4,7 mil substâncias tóxicas do cigarro e causa dependência em 80% dos tabagistas. Estima-se que, no mundo, 73 mil toneladas de nicotina sejam consumidas anualmente. Há aproximadamente 1,3 bilhões de fumantes no planeta, sendo 26 milhões no Brasil, segundo fontes do Ministério da Saúde.

    Presente em todas formas de consumo de tabaco, a nicotina é a substância que causa dependência, pois é psicoativa, promovendo mudanças no sistema nervoso central, proporcionando sensação de prazer, além da redução da ansiedade e da tensão. A médica cardiologista Jaqueline Scholz Issa afirma que “Embora a nicotina beneficie emocionalmente parte dos usuários, as demais substâncias do tabaco são nocivas à saúde geral. Com a dependência, cresce o risco de doenças”.

    Inevitavelmente, além da nicotina, o fumante consumirá a mais de 4 mil substâncias tóxicas. Uma delas, é o monóxido de carbono e a outra é o alcatrão, que é cancerígeno.

    FILHOS FUMANTES PASSIVOS

    fumantePesquisas demonstraram que em lares onde o pai fuma, os filhos têm 20% a mais de chances de adquirir bronquiolite, broncopneumonia, otite, amigdalite ou sinusite. Entretanto, se a mão também fuma, essa possibilidade sobe para 50%. É uma das consequências de as crianças serem fumantes passivas. A Organização Mundial da Saúde estima que no mundo existam 2 bilhões de fumantes passivos, dos quais, 700 milhões são crianças.

    Largar o cigarro é, para muitos, uma difícil missão, mas é totalmente possível conseguir para de fumar. Existem algumas maneiras de largar o tabagismo: a primeira, é a parada abrupta, onde deixa-se de fumar de um dia para outro. A outra, é a parada gradual, onde se reduz o consumo do tabaco aos poucos.

     

    DOENÇAS ASSOCIADAS AO TABAGISMO

    O tabagista está sujeito a cerca de 50 doenças e a viver menos que o não fumante. As principais são:

    Câncer Rinite alérgica Gastrite
    Infarto do miocárdio Ulceras do duodeno Catarata
    Acidente vascular cerebral Tuberculose Irritação dos olhos
    Queda da resistência Bronquite Rugas
    Impotência sexual Pneumonia Celulite
    Infertilidade Enfisema Menopausa precoce
    Asma Úlcera do estômago Osteoporose precoce
    Menstruação dolorosa Dor de garganta Má circulação
    Inflamação das gengivas Escurecimento dos dentes Sinusite

     

    TRATAMENTOS

    pare-de-fumar1Também existem tratamentos à base de medicamentos com ótima eficácia. Um deles, é a terapia de reposição de nicotina na forma de adesivo, goma de mascar, aerossol e inalação. O princípio dessa terapia é fornecer nicotina em doses decrescentes até que desapareçam os sintomas de abstinência.

    Outra forma de tratamento são os princípios ativos bupropiona e vareniclina que atuam no cérebro e liberam neurotransmissores, proporcionando sensação de relaxamento e bem-estar. Em qualquer caso, o médico deve ser consultado.

    ABSTINÊNCIA

    No início, a falta de nicotina poderá causar enorme desejo de fumar, irritação, agitação, tristeza, agressividade, alterações de sono, perda de concentração e memória, sudorese, sede, dor de cabeça e tontura. Tais sintomas variam de pessoa para pessoa.

    TENTAÇÕES

    Ao parar de fumar, algumas armadilhas poderão surgir. Saber evita-las ou driblá-las é fundamental nessa fase. As principais tentações são:

    • Ganho de peso: Nos primeiros meses, o organismo queima menos calorias, acumulando mais energia. Além disso, o paladar e o olfato melhoram, fazendo com que o ex-tabagista passe a desfrutar as boas culinárias.
    • Gatilhos: São hábitos do dia a dia que estimulam o tabagismo, como café, bebidas, convivência com fumantes, festas, etc. Enfrentar tais situações é fundamental.
    • Estresse, tédio, pressão ou ansiedade: Muitos fumantes utilizavam o cigarro como válvulas de escape nos momentos de dificuldade emocional. Atividades físicas e psicoterapia poderão ser bons aliados nesse momento.
    • Fissura: Trata-se do desejo quase incontrolável de fumar. No início é frequente, dura alguns minutos e depois cessa. Nesse momento, comer uma fruta, mascar chiclete, tomar um suco, etc ajudarão.
    • Odor: O cheiro do cigarro é um poderoso gatilho. Elimine qualquer objeto com cheiro de cigarro e não permaneça em locais onde hajam fumantes.

    O melhor motivo para largar o cigarro é a qualidade de vida. Pense em você sua família e dê esse passo em direção a sua vida.

     

    Compartilhar:

Página 1 de 11