Colunistas

avatar

Anselmo Nishiyama

Profissão: Consultor de negócios

Cidade: São Paulo

  • Evolua seu Quociente Emocional

    Para ter sucesso no mundo dos negócios, mais importante do que a inteligência é o controle das emoções. É saber a energia exata que você precisa impor em cada momento

    Postado dia 21 de março de 2017 às 08h em Negócios e Economia

    quociente

    Foto: Reprodução

    É muito comum as pessoas avaliarem outras pelo seu Q.I. (Quociente de Inteligência) e com isso dizer se são pessoas inteligentes ou não. Mas, sinceramente, dentro do mundo dos negócios isso não é algo que vai determinar o seu sucesso.

    Há alguns anos venho investindo o meu tempo para melhorar o meu Q.E. (Quociente Emocional). E o que seria isso?

    Muitas pessoas se frustram com os desafios que aparecem na sua jornada empreendedora, profissional e na vida. A frustração por acontecimentos do passado ou do presente é tão grande que ela fica com medo de continuar seguindo em frente. Da mesma forma, essa mesma pessoa pode se envaidecer ou ficar vislumbrado em demasia com algum resultado positivo, o que acaba fazendo com que pessoas ou oportunidades escapem por essa atitude.

    A dica aqui é: Relaxa, galera!

    O que você tem que entender é que fomos sempre condicionados para esperar o “sim” e nunca para o “não”. Mas o que deveríamos nos condicionar é que tanto a frustração como a realização podem ser vistas por óticas equilibrada e madura.

    Não estou falando que você deve se tornar um robô, frio e cauteloso, mas que sim que as emoções que vêm nesses dois momentos (tanto na alta como na baixa) devem ser sentidas de uma forma leve e equilibrada tanto quando a notícia é boa como ruim.

    A felicidade é algo mais pleno e sereno enquanto a frustração deve ser encarada como algo passageiro. E quanto mais você conseguir ter o Q.E. nas mãos, mais portas certamente vão abrir na sua trajetória e certamente você saberá a energia exata que você precisa impor em cada momento.

    Ou seja, controle suas emoções ou seja controladas por elas, simples assim. Agora preste muita atenção, pois isso é um exercício diário e constante em que se pode perder em milésimos de segundos. Portanto, fique sempre atento, pois um grande vencedor está sempre em alerta, não rígido.

    Uma ótima semana!

    Compartilhar:

  • A arte da paciência

    Você precisa ir rápido, mas não confunda isso com ser apressado ou afobado. De fato precisamos aprender rápido com nossos erros e acertos

    Postado dia 14 de fevereiro de 2017 às 08h em Empreendedorismo e Gestão

    paciência

    Foto: Reprodução – O empreendedor zen e a arte da paciência: uma coisa de cada vez

    Precisamos nos conhecer como pessoa para que nos desenvolvamos. Mas tudo isso não adianta em nada se não tivermos paciência para respeitar o tempo das coisas.

    A paciência é uma habilidade que os empreendedores possuem, pois eles sabem que se eles estiverem fazendo a coisa certa, do jeito certo e com a intensidade certa, infalivelmente em algum momento ele atingirá os seus objetivos. Mas não insista no erro, no artigo da semana passada eu falei um pouco sobre isso. Dê uma olhada para não confundir persistência com insistir no erro.

    Mas onde muitas pessoas se perdem é o ponto ENTRE o espaço de tempo que você quer que as coisas aconteçam e o tempo que verdadeiramente as coisas levam para acontecer. E isso é muito complicado, pois as pessoas tendem a se comparar com os outros nesse momento. Cada um tem o seu tempo, tenha paciência para respeitar isso.

    zen2

    Portanto, domine suas emoções e elas vão te amargurar duras derrotas. E essas são as piores, pois você perde para você mesmo.

    Sendo assim os 4 pontos que quero elucidar hoje são:

    1. Vá rápido, mas não se afobe ou saia atropelando as coisas. Dê um passo de cada vez.

    2. Faça a coisa certo, do jeito certo e com a intensidade certa. Dessa forma, no tempo em que você for merecer as coisas vão vir.

    3. Domine suas emoções. Se conheça profundamente. Está confuso? Respire, pare o que está fazendo. Procure conselhos de pessoas que já chegaram lá e só depois disso volte a agir.

    4. Tenha paciência e maturidade para encarar os desafios. Com certeza a cada passo que você dá, você será uma pessoa ainda melhor.

    Keep Calm, e uma semana muito produtiva a todos!

    Compartilhar:

  • O ciclo mortal do negócio

    Siga esses sete passos simples para evitar cair no ciclo mortal do negócio

    Postado dia 12 de dezembro de 2016 às 09h em Negócios e Economia

    ciclo mortal

    Foto: Reprodução
    Tenho certeza que você deve conhecer alguém no seu meio empreendedor que quebrou uma empresa ou quase a quebrou por conta da má gestão do Fluxo de Caixa.

    Costumo comparar isso ao mau uso do limite do cartão de crédito. As pessoas não fazem um bom planejamento financeiro, parcelam suas compras e após alguns meses não conseguem pagar a fatura do cartão. Isso faz com que elas tenham que se endividar pagando altos juros e o efeito bola de neve judia muito dessa pessoa.

    Isso também acontece nas empresas. Mas o que gera uma má gestão do fluxo de caixa?
    Além de fazer endividamentos ruins a empresa não se planeja corretamente. 

    Vou dar um exemplo: Você tem a receber 1.000 reais até o final do mês. Porém, precisa precisa pagar uma conta de 1.000 reais no primeiro dia do mês.

    Isso quer dizer que você se planejou de forma errada financeiramente pois você teoricamente contou com esse dinheiro sem tê-lo de fato.

    Ciclo Mortal das empresas começa tiro-no-peexatamente nesse momento!

    Quando isso acontece, o empresário busca dinheiro com o banco para pagar essa conta do começo do mês, mas os juros dos bancos acabam fazendo que no mês que vem você tenha que pagar muito a mais para ele do que esses 1.000 reais. Em alguns meses ou anos, os juros comem seu fluxo de caixa, os fornecedores param de te entregar material porque você não cumpre os prazos, você pega mais empréstimos, mas não solucionam os seus problemas e no fim das contas a empresa acaba fechando.

    Como evitar que isso não aconteça?

    1. Tenha uma reserva financeira. Recomendamos que a empresa tenha um capital de giro de pelo menos 1 ano. Ou seja, tenha nessa reserva, o montante de todas as despesas de pelo menos 1 ano.

    2. Guarde 30% da receita líquida. Muitas empresas quebram, pois não conseguem inovar e fazer novos investimentos em momentos oportunos. Guarde mensalmente 30% do seu lucro, pois se a empresa crescer, o investimento também terá que vir certamente.

    3. Evite fazer empréstimos. Os juros costumam “comer” boa parte da sua lucratividade. Portanto deixe isso como uma última opção!

    4. Negocie seus prazos com fornecedores de acordo com o ciclo de vendas dos seus produtos. Se o seu fornecedor não lhe dá o prazo necessário, mude. Procure por outros, pois certamente você o encontrará.

    5. Controle os mínimos gastos da empresa.

    6. Tenha um planejamento estratégico de fácil acesso e que seja controlado a risca.

    7. Venda primeiro, empreenda depois. Tudo que for relacionado a vender mais precisa ser prioridade.

    Seguindo boa parte desses 7 passos você terá mais folego para testar coisas novas no mercado, terá mais tempo de aprendizado e poderá desse jeito ter maior probabilidade de sucesso!

    Antes de entrar nesse ciclo mortal, consulte especialistas. O medo de errar e assumir que não sabe o que fazer é muito mais custoso e árduo do que a vergonha de pedir ajuda.

     

    Compartilhar:

Página 1 de 11