A flexibilidade na opinião pública

A divisão das opiniões dificulta aos brasileiros encontrar pontos em comum e discuti-los forma saudável e inteligente

Postado dia 23/10/2015 às 13:02 por Wilson ADM

verdade_mentira

A tendência popular hoje é a de subtrair em vez de somar, ou dividir ao invés de multiplicar, mesmo em tempos tão difíceis como o que enfrentamos no Brasil e no resto do mundo.

Na maioria dos casos, as pessoas usam a opinião para a autoafirmação social, ignorando um tanto de coisas que merecem atenção. Seja pela direita ou pela esquerda, em cima ou embaixo. Quando as pessoas não enxergam na claridade, resta abrir os olhos na escuridão, ou simplesmente, não abrir os olhos. A autoafirmação quando tende para uma possível perda de identidade, é uma “autoconfusão”.

Se as opiniões não mudarem a favor do próximo, as coisas não mudam para ninguém. Envergadura moral que não serve como uma ponte é inútil.

A opinião pessoal é bem importante para um direcionamento moral no dia a dia, para alguém ser diferenciado da massa e considerado um indivíduo de luz própria, mas para isso, para dar-se o privilégio de emitir uma opinião, é preciso cuidado, pois na maioria dos casos, as opiniões mais frágeis são manipuladas por fontes tendenciosas, e no meio desse mar de informações que recebemos de diversos meios, é preciso ficar ligado, pois a informação excessiva sem o devido direcionamento, não transforma ninguém em um intelectual da noite para o dia, e sim, em um papagaio.

A divergência de informações é uma forma saudável da sociedade encontrar um ponto comum e útil através do bom senso, porém, isso é diferente de um enorme número de pessoas falando sobre o que não sabem com uma certeza que não possuem, contribuindo um pouco mais com a “chaos society”.

Por isso é fácil formar opinião, porque há por onde o tempo todo, mas mantê-la e argumentá-la de forma inteligente… Aí é outra coisa meu amigo. Vê-se hoje um Brasil onde as pessoas se autoafirmam pelo partido que votam, da mesma forma que se autoafirmam pelo tipo de música que gostam, ou time de futebol que torcem.

Pensando mais em como se mostrar ao público diante dessa enorme confusão, mesmo que orgulhosamente passe vergonha a maior parte do tempo sem saber, em troca de contribuir com a cultura da desinformação e da antidemocracia, mesmo que lutem incansavelmente em nome da liberdade de expressão e da democracia, estão presas as próprias opiniões, em um país que precisa, e urgentemente, mudar.

Compartilhar:

Leia também

Assine a nossa newsletter